Vendas e receita nominal do comércio voltam a crescer no mês de fevereiro

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

O comércio varejista do país fechou o mês de fevereiro com crescimento em relação a janeiro tanto no volume de vendas como na receita nominal. A constatação é da Pesquisa Mensal do Comércio (PME) divulgada hoje (12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

comercio1Em fevereiro, na série com ajuste sazonal, o comércio varejista brasileiro fechou com crescimento de 1,2% em relação a janeiro, a maior expansão desde os 3% de julho de 2013. Já a receita nominal aumentou 1,3%.

Segundo o IBGE, apesar do crescimento de janeiro para fevereiro no volume de vendas, a expansão não foi suficiente para compensar a queda de 4,1% acumulada nos dois meses anteriores. Com isto, a média móvel trimestral encerrada em fevereiro continuou negativa (-1%) pelo terceiro mês consecutivo.

Na comparação com fevereiro de 2015, série sem ajuste sazonal, o volume de vendas do varejo recuou (-4,2%), neste caso a décima primeira taxa negativa seguida, embora com percentual menos acentuado do que o observado em janeiro, quando a retração comparativamente a janeiro de 2015 havia sido de -10,3%.

Varejo em queda

Os dados da Pesquisa Mensal do Comércio indicam, também, que o setor fechou os dois primeiros meses de 2016 com queda acumulada nas vendas do varejo de 7,6%, enquanto a taxa anualizada (últimos 12 meses) encerrou fevereiro com retração de 5,3% – taxa idêntica à do mês anterior.

Quanto ao volume de vendas do comércio varejista ampliado (varejo e mais as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção) houve, de janeiro para fevereiro, na série com ajuste sazonal, crescimento de 1,8% , enquanto a receita nominal subiu 2,9%.

Já em relação a fevereiro de 2015, as variações indicam que o comércio varejista ampliado fechou o segundo mês do ano com queda de 5,6%, enquanto a receita nominal cresceu 3,3%. No ano, o volume de vendas, no entanto, caiu 10,1%, resultado que passou a uma queda de 9,1% no acumulado dos últimos 12 meses. Já as receitas nominais caíram 1,3% no ano e 1,8% no acumulado dos últimos 12 meses.

Análise

O crescimento de 1,2% do comércio varejista em fevereiro deste ano frente a janeiro, na série livre da sazonalidade do período, reflete expansão em quatro das oito atividades pesquisadas pelo IBGE.

A principal influência positiva ocorreu na atividade de móveis e eletrodomésticos, que cresceu 5% e também por hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, com expansão de 0,8%, mas com peso maior na composição do indicador.

Com o crescimento da atividade de móveis e eletrodomésticos, o setor reverte queda acumulada de 13,2% de dezembro e janeiro, comparativamente a igual período imediatamente anterior (dezembro de 2014 e janeiro de 2015); e no caso de hipermercados e supermercados, reverte três meses de quedas consecutivas, quando a retração acumulada foi de 3,7%. Também teve crescimento a atividade de combustíveis e lubrificantes (0,6%) e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, perfumaria e cosméticos (0,3%).

Na outra ponta, fecharam com resultados negativos tecidos, vestuário e calçados (-2,8%); livros, jornais, revistas e papelaria (-2,4); equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-1,3%) e outros artigos de uso pessoal e doméstico (-0,1%).

Já comércio varejista ampliado cresceu 1,8% no volume de vendas entre janeiro e fevereiro influenciado pelo segmento de veículos e motos, partes e peças, que expandiu 3,8% no período e por material de construção (3,3%).

(Da Agência Brasil).