Em MS, pessoas trocam a comida caseira por restaurantes

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

restaurante

Os velhos hábitos de alimentação do sul-mato-grossense tem mudado. No período de dez anos, os tradicionais churrascos fartos de fins de semana foram trocados pelas filas em praças de alimentação dos shoppings e por restaurantes espalhados pelo Estado. É o que afirma a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF)  divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em uma década, desde 2008-2009 a 2017-2018, a despesa com alimentação no domicílio vem perdendo lugar para a alimentação fora do domicílio. Conforme o levantamento, que levou em conta 909.062 famílias de Mato Grosso do Sul, no período de 2008 a 2009, 74,1% dos gastos com alimentação correspondiam a alimentação no domicílio, e 25,9%, a alimentação fora do domicílio.

Já os resultados do novo levantamento realizado entre 2017 e 2018, a participação das despesas com alimentação no domicílio caiu para 57,5%, enquanto os gastos com a alimentação fora do domicílio aumentou para 42,5%, detalha o documento divulgado nesta sexta-feira (4).

No supermercado, a maior despesa da população do Estado é com as carnes, vísceras e pescados, que correspondem a 14,2% da alimentação, enquanto os cereais e leguminosas, representam 6,3% das despesas.. Há dez anos, as proteínas animais correspondiam a 18% dos hábitos de compras.

As famílias de Mato Grosso do Sul gastaram em média R$ 4.903,67 por mês entre 2017 e 2018. As maiores despesas dos sul-mato-grossenses foram com habitação (26%), alimentação (16,4%) e transporte (15,8%). De acordo com a pesquisa, o gasto médio com moradia é a maior despesa das famílias sul-mato-grossenses, e mensalmente foram investidos R$ 1.272,97. A despesa com a alimentação foi de R$  806,48 entre 2017 e 2018. Já o gasto médio com transporte  foi de R$ 777,03.

Na comparação por classe social, as famílias com rendimento de até dois salários mínimos (R$ 1.908,00), tiveram gasto médio de R$ 1.729,77. E dedicaram 57,80% do total com moradia e alimentação. Foram R$ 669,01 investidos em habitação, R$ 329,99 com alimentação e R$ 131,14 com transporte.

MUDANÇAS

A opção por comer fora é replicada por todo o País. Do total das despesas das famílias brasileiras com alimentação, quase um terço (32,8%) é dedicado à refeições fora do domicílio. Na comparação com os dados da pesquisa anterior, realizada entre 2008 e 2009, chama atenção o aumento da alimentação fora do domicílio da área rural, que pulou de 13,1% para 24%, ao passo que na área urbana ficou estável, por volta de 33%.

“É possível que haja uma mudança na área rural, como mais pessoas trabalhando fora ou mais mulheres no mercado de trabalho, por exemplo”, comentou o gerente da pesquisa, André Martins. “Com mais acesso ao mercado de trabalho, sobra menos tempo para o consumo no domicílio e a preparação dos alimentos”, informou.

Para a alimentação no domicílio, a distribuição dos alimentos adquiridos pode ilustrar essas mudanças de hábitos. As despesas com cereais, leguminosas e oleaginosas, produtos associados ao preparo da comida em casa, vêm caindo ao longo do tempo, passando de 10,4%, em 2003, para 5% nesta última pesquisa. O grupo de óleos e gorduras, que em 2003 contribuía para 3,4% das despesas com alimentação, agora chegou a 1,7%.