Seller reduz estoque e funcionários temem fechamento de unidades

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

seller dourados
Em Dourados, segundo uma fonte, faltam produtos para repor estoque vendido. (Foto: Divulgação).

Da Redação

O temor sobre o fechamento de unidades das Lojas Seller aumenta e preocupa funcionários. O problema se agravou após a prisão de André Esteves, em novembro do ano passado na Operação Lava-Jato. Na época era presidente do banco BTG Pactual, controlador da rede de lojas Leader, dona da rede Seller.

Em Mato Grosso do Sul, onde a Seller tem lojas em Dourados, Aquidauana, Campo Grande, Naviraí e Três Lagoas, há problemas com reposição de estoque. Em lojas grandes, como a de Dourados, a empresa chegou a fechar setores de atendimento por falta de mercadorias. Com isso funcionários já temem perder o emprego.

A Seller, comprada pela Leader em 2013, tem hoje 61 lojas abertas em São Paulo, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais e emprega 8.500 colaboradores. A empresa tem 25 anos de varejo. Já a Leader, com sede no Rio de Janeiro, que tem 64 anos de história, tem 92 lojas pelo país e emprega 6 mil pessoas. Ao todo as duas redes geram mais de 14 mil empregos.

Em função da crise econômica no Brasil, o BTG, dono de 70% da Leader, iniciou um choque de gestão nas operações, visando melhor desempenho. De acordo com o Jornal O Estado de São Paulo, o BTG contratou novos executivos com a missão de integrar as operações da Leader e da Seller para baixar custos.

O desafio é driblar a crise de confiança da população no setor. O varejo têxtil encolhe no país desde de 2014, quando as vendas caíram 3,3% em relação ao exercício anterior, fechando em R$ 90 bilhões os negócios, de acordo com a Euromitor. Em 2015 o cenário econômico piorou e agora em 2016 mais ainda.

O envolvimento de Esteves, então presidente do BTG, na Operação Lava Jato teria prejudicado as ações em desenvolvimento para enfrentar a crise nas empresas controladas pelo banco. Ainda em novembro, Esteves renunciou e Persio Arida assumiu a presidência do Conselho de Administração e de CEO [Chief Executive Officer] do BTG Pactual. Mas a crise econômica só piora no país e as vendas despencam, o que dificulta a gestão de qualquer negócio.

Uma fonte disse ao Indicador Econômico que na loja de Dourados da Seller o problema não é a venda, mas a falta de mercadorias. As vendas se mantêm em níveis rentáveis, apesar da crise, mas as mercadorias não chegam para repor os setores da loja. Com isso, o espaço físico chegou a ser reduzido. Aos clientes, os funcionários dizem que a ala está fechada para reformas.

A loja de Dourados foi inaugurada em 7 de agosto de 2007. Com 3 mil m² de área de atendimento, e localizada na Avenida Marcelino Pires, esquina com a Rua Melvin Jones, é uma das maiores lojas de vestuário da cidade. Quando foi inaugurada em Dourados a loja só era menor que a de Campinas (SP). A Seller oferece confecção, cama, mesa, banho, cortinas, tapetes e moda íntima e gera em torno de 60 empregos.