Percentual de famílias endividadas cai em março apenas meio ponto e fica a 60,3%

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
endividamento
Endividamento das famílias caiu apenas 0,5%; situação é grave no país. (Foto: Divulgação).

A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), apurada mensalmente pela CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), registrou a segunda queda consecutiva em março e mostra que 60,3% das famílias estão endividadas com cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, empréstimo pessoal, prestação de carro e seguro. Embora o total seja menor do que o registrado em fevereiro, de 60,8%, ele é maior do que o percentual em março de 2015, 59,6%.

“Esse resultado é o menor patamar desde março do ano passado e evidencia a retração do consumo, observada nos últimos meses, aliada a uma cautela maior do consumidor, que está atento às taxas de juros mais elevadas e ao cenário menos favorável do mercado de trabalho”, avalia a economista da CNC Marianne Hanson.

Apesar do recuo do percentual de famílias endividadas, o total dos que possuem dívidas ou contas em atraso aumentou na comparação mensal, de 23,3% para 23,5%. Na comparação anual, essa diferença é ainda maior, já que, em março de 2015, esse total era de 17,9%. O percentual de famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso e que, portanto, permaneceriam inadimplentes teve uma redução apenas na comparação mensal, atingindo 8,3% em março ante 8,6% em fevereiro de 2016 e 6,2% em março de 2015.

Análise do endividamento

A comparação mensal também mostra um aumento das que se declararam muito endividadas – 14,3% em março ante 13,8% em fevereiro. Em relação a março de 2015, houve alta de 3,7 pontos percentuais. Os cartões de crédito continuam no topo da lista dos tipos de dívida, com 77,3% das famílias endividadas. Em seguida estão os carnês, com 16,7%, e os financiamentos de carro, com 12%.

O tempo médio de atraso nas dívidas foi de 62,6 dias em março de 2016 – acima dos 59,9 dias de março de 2015. O tempo médio de comprometimento com dívidas foi de 7,1 meses, sendo que 33,5%, por mais de um ano. Do total das famílias que têm dívidas, 24,1% destina mais da metade de sua renda mensal para o pagamento destas. (Da CNC).