Polícia Civil apresenta à Aced proposta de câmeras no comércio de Dourados

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Aced Monitoramento Comércio_07.03
Delegados da Polícia Civil Mateus Zampieri, Ricardo Meirelles Bernardinelli e Lupérsio Degerone Lúcio; presidente da Aced, Elizabeth Rocha Salomão; vice-presidente José Tarso Moro da Rosa; diretores Arnaldo Rodrigues Junior e Irma Lupinetti; e vice-presidente Ely Oliveira. (Foto: Assessoria).

A Delegacia Regional de Polícia Civil apresentou à Aced (Associação Comercial e Empresarial de Dourados) uma proposta de parceria para implantação de um sistema de monitoramento da área central de Dourados por câmeras de segurança. O encontro entre representantes das instituições foi na tarde desta segunda-feira (06).

Na ocasião, representantes da Polícia Civil apresentaram o projeto que pretende uma parceria entre o órgão e os comerciantes de Dourados através da Aced. A Polícia propõe oferecer o mapeamento dos pontos críticos da área central onde há maior número de crimes contra o patrimônio especialmente dos estabelecimentos comerciais, contribuição na escolha das câmeras para que garantam a qualidade de imagem eficiente em cada local e indicação dos pontos de instalação dos equipamentos que contemplem locais estratégicos.

Em contrapartida, a proposta é que a Aced organize a mobilização dos comerciantes para que em parceria instalem as câmeras. Como cada equipamento será colocado em um ponto estratégico, uma única câmera poderá monitorar fachada e calçada em frente a várias lojas, além de áreas importantes no entorno. Dessa forma, o custo seria reduzido para o setor empresarial, com benefício ampliado a todos.

É importante ressaltar que as imagens produzidas ficariam com as empresas. A polícia teria acesso requisitando o material quando precisasse, assim como já é o procedimento. A diferença é que seria ampliado o acesso às imagens e o conteúdo teria mais qualidade, com acesso facilitado à polícia.

“O projeto é muito interessante e, com certeza, vamos apresentar aos nossos associados. Queremos todos envolvidos desde a elaboração do projeto, para que na prática tenhamos um sistema que atenda a todos”, afirma a presidente da Aced, Elizabeth Rocha Salomão. Ela recebeu os representantes da Delegacia Regional da Polícia Civil, acompanhada dos vice-presidentes Ely Oliveira e José Tarso Moro da Rosa, e diretores Arnaldo Rodrigues Junior e Irma Lupinetti.

De acordo com o delegado regional da Polícia Civil em Dourados, Lupérsio Degerone Lúcio, ainda há uma quantidade significativa de roubos e furtos em estabelecimentos comerciais. “Ano a ano está havendo uma redução nos índices de roubos e furtos na área central da cidade, mas é nosso objetivo a redução mais acentuada, por isso estamos propondo essa parceria”, afirma Lúcio.

Nesse contexto, segundo ele, o uso da tecnologia é um aliado dos órgãos de segurança pública, tanto para ações de prevenção quanto no andamento das investigações. Com a instalação de câmeras de segurança com qualidade adequada, em pontos estratégicos, o serviço torna-se mais eficiente.

Conforme o delegado de Caarapó, Ricardo Meirelles Bernardinelli, idealizador da proposta, estudos apontam que há menos ocorrências de roubo e furto em locais onde há sistema de vigilância eficaz. “Evita crimes com ou sem violência e facilita a identificação de forma mais proveitosa pela polícia”, afirma.

No entanto, os policiais alertam que apenas possuir os equipamentos não é suficiente. É preciso que as câmeras registrem a imagem com a qualidade adequada levando em consideração as condições de iluminação do ambiente monitorado, tenham um alcance ideal para aproximação à cena desejada, estejam posicionadas de forma eficaz, entre outros aspectos.

“Muitas vezes nós conseguimos imagens de lojas que possuem sistemas de monitoramento, mas não conseguimos enxergar o rosto, a placa do veículo e outras características, porque a qualidade da imagem não contribui”, esclarece o delegado do SIG (Serviço de Investigações Gerais) da Polícia Civil, Mateus Zampieri.

Como resultado da reunião, ficou definida a entrega de um projeto final pela Polícia Civil, que possa ser apresentado aos empresários para que todos o conheçam, possam dar contribuições e seja avaliada a viabilidade econômica e de estrutura para implantação. Os demais órgãos de segurança pública que atuam em Dourados serão convidados a participar da elaboração e implantação do projeto.