MS lidera alta na construção civil no Centro Oeste

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Henrique de Matos

Mato Grosso do Sul apresentou em março a maior alta no custo da construção civil na região Centro-Oeste. Conforme os números divulgados nesta sexta-feira (8) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas), o custo do metro quadrado da construção fechou o mês de março em R$ em 974,23, considerando material e mão de obra, o que representa um incremento de 0,61% em relação aos preços praticados em fevereiro. No ano, a alta acumulada no preço das edificações em MS já chega a 1,72%. Nos últimos 12 meses, o metro quadrado ficou 6,55% mais caro no Estado.

No país, o custo nacional da construção, por metro quadrado, que em fevereiro havia fechado em R$ 976,82, em março subiu para R$ 984,81
No país, o custo nacional da construção, por metro quadrado, que em fevereiro havia fechado em R$ 976,82, em março subiu para R$ 984,81

A segunda maior alta no Centro-Oeste foi registrada em Goiás. Conforme o IBGE, o Estado apresentou uma alta de 0,2% no custo do metro quadrado da construção, fechando março em R$ 969,55. Na região, o Estado mais caro para se construir é o Distrito Federal, onde o custo do metro quadrado chega a R$ 1026,20 (alta de 0,18% em março). No Mato Grosso o preço para edificar o metro quadrado é de R$ 987,86.

BRASIL

No país, o custo nacional da construção, por metro quadrado, que em fevereiro havia fechado em R$ 976,82, em março subiu para R$ 984,81, sendo R$ 525,38 relativos aos materiais e R$ 459,43 à mão de obra. A parcela dos materiais apresentou variação de 0,35%, ficando 0,69 pontos percentuais abaixo da taxa de fevereiro (1,04%). Já a parcela da mão de obra, apresentou variação de 1,35%, subindo 0,75 pontos percentuais em relação ao mês anterior (0,60%). No primeiro trimestre do ano os acumulados são 1,80% (materiais) e 2,69% (mão de obra), sendo que em doze meses ficaram em 5,05% (materiais) e 9,70% (mão de obra).