MS amplia benefícios para setor atacadista

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Os atacadistas de Mato Grosso do Sul vão poder competir em igualdade com a concorrência. 

O governo do Estado, por meio da Secretaria Estadual de Fazenda (Sefaz-MS), ampliou as concessões à categoria, garantindo que os contribuintes tenham benefícios fiscais compatíveis com os oferecidos por estados como Mato Grosso, Goiás, Tocantins e Distrito Federal.

A medida leva em conta o compromisso assumido pelo governador Reinaldo Azambuja com a retomada da economia e a troca de impostos por empregos, garantindo a manutenção de milhares de postos de trabalho aos sul-mato-grossenses. 

No ano passado, o governo havia concedido redução da base de cálculo aos atacadistas, haja vista que não conseguiam concorrer na venda de seus produtos com outros estados. Contudo, a redução apenas foi insuficiente.

“A Associação Sul-Mato-Grossense de Atacadistas e Distribuidores [Asmad] entrou em contato conosco, solicitando um tratamento semelhante ao concedido pelo estado de Mato Grosso. 

A equipe econômica fez a análise, e equiparamos o benefício. Para que consigam concorrer em pé de igualdade, houve a redução de crédito outorgado de 22% do ICMS próprio, ou seja, o ICMS que os atacadistas pagam e uma redução de 50% da margem de valor agregado [MVA], que é uma margem que se aplica para calcular substituição tributária”, explicou o secretário de Fazenda Felipe Mattos.

EXIGÊNCIAS

Mato Grosso do Sul possui hoje 19 estabelecimentos atacadistas pré-habilitados.

Todavia, para usufruir da ampliação de benefícios, os atacadistas precisam cumprir algumas exigências, como passar a ser substitutos tributários, isto é, quem antes recolhia tributo na entrada, agora se torna responsável por reter e recolher o imposto. 

Estar fisicamente e logisticamente instalado em MS gerando emprego e renda, e aderir ao Regime Optativo de Tributação da Substituição Tributária (ROT).

“O contribuinte faz a adesão ao ROT no próprio portal do ICMS Transparente. É importante deixar claro que essa não é uma isenção, mas ampliação de benefícios. Para fazer jus, o atacadista não pode ter nenhuma pendência fiscal. Essa é uma forma de garantir manutenção de postos de trabalho e melhoria da qualidade de vida da população”, pontuou Mattos.

ROT

O ROT torna a base de cálculo da substituição tributária definitiva. O empresário, quando vende mais barato que o preço médio, tem o direito de pagar a menos, e, no mesmo sentido, o Estado tem o direito de cobrar o complemento do tributo se ele vender por preço maior do que foi retido.

“Em anos anteriores, o Supremo Tribunal Federal [STF] vinha julgando pela definitividade da base de cálculo da substituição tributária. O STF reviu esse posicionamento no julgamento do recurso extraordinário RE – 593849, que começou a produzir efeitos a partir de 2018. 

Por conta disso, a base de cálculo fixada pela substituição tributária não é mais definitiva, e o contribuinte tem direito ao ressarcimento. Essa decisão judicializou demais a questão, e o governo, pensando na segurança jurídica dos contribuintes, criou o regime optativo, que significa que o Estado não vai cobrar a diferença do preço que foi vendido no varejo nem o contribuinte vai pedir a devolução de imposto”, disse o secretário.

Os atacadistas têm até o dia 30 de abril para fazer a adesão.