MS abriu 3,5 mil empresas no primeiro semestre, aponta Jucems

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

comércio_novas-15

Mato Grosso do Sul registrou de janeiro a junho a abertura de 3.526 aberturas de novos empreendimentos, de acordo com a Jucems (Junta Comercial de Mato Grosso do Sul). É o melhor resultado para o primeiro semestre nos últimos sete anos.

Por outro lado, no mesmo período foram fechadas 1.978 empresas no Estado, aumento de 52,98% em comparação com o primeiro semestre do ano passado, quando 1.293 estabelecimentos fecharam as portas.

Durante o sexto mês de 2020 foram abertas 620 empresas, resultado 20% maior em relação às 517 do mesmo mês do ano passado. Também houve crescimento de 37,7% em comparação com as 450 empresas abertas em abril deste ano.

O resultado de junho também é o melhor registrado dos últimos sete anos. Entre os setores da economia, o maior número de abertura foi de Serviços (389), seguidor por Comércio (206) e Indústria (25).

“É um indicador que nos sinaliza a movimentação e a retomada de curto prazo da economia em alguns setores. A retomada que estamos observando permite a abertura de novas empresas, mas não podemos menosprezar o quanto a pandemia tem impactado a economia como um todo”, diz Jaime Verruck, titular da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar).

Segundo a Jucems, o impacto da pandemia da covid-19 começou a ser sentido a partir de abril. No terceiro mês do ano houve 25% de queda em comparação com o mesmo mês do ano passado. Maio também apontou para redução de 14,3%.

O secretário destaca que o tempo médio para abrir uma empresa no Estado é de pouco mais de dois dias. “Nós fizemos esse prazo cair de 37 dias, para pouco mais de dois dias”, apontou.

De acordo com o Mapa de Empresas, ferramenta do Ministério da Economia, o tempo médio para abertura de empresas no Estado em maio deste ano foi de dois dias e 15 horas, enquanto a média nacional foi de quatro dias e 8 horas no mesmo período.