MESMO NA CRISE, COMÉRCIO DE MS CRESCE

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

 

postos-foto-brasilpostos
Setor de combustíveis e lubrificantes cresceu 5,5% em junho, em relação aos mesmo mês do ano passado. (Foto: Brasil Postos).

Dênes de Azevedo

 

A receita nominal do comércio de Mato Grosso do Sul cresceu 1,7% em junho deste ano, em relação a junho do ano passado. O resultado é melhor do Centro Oeste e está acima da média do Brasil, que ficou no zero. É o que aponta a pesquisa conjuntural do comércio do IPF-MS (Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio MS).

O desempenho positivo do Estado foi puxado pelos setores de combustíveis e lubrificantes, que cresceu 5,5%; de alimentação (hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo), que evoluiu 5,3%; artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, perfumaria e cosméticos, que avançou 5%; livros, jornais, revistas e papelaria, que elevou a receita em 2,7% e ainda outros artigos de uso pessoal e doméstico, que ficou positivo em 2,6%. Tecidos vestuário e calçados cresceu 0,1%.

Os destaques negativos são os setores de Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação, cujo resultado das vendas teve queda de 8,5%; materiais de construção, com queda de 3,1% e móveis e eletrodomésticos, com -1,4%. O setor de veículos, motos, partes e peças teve queda nominal de 0,9%.

O resultado global da receita nominal do comércio no Brasil não teve crescimento de junho deste ano para o mesmo mês do ano passado. Mais 5 das 10 atividades comerciais apresentaram crescimento, com destaque para artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, perfumaria e cosméticos, que avançou 10,2% e hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, que cresceu 10,1%. Os setores com maior queda de receita foram o de veículos, motos, partes e peças, com -14%, e livros, jornais, revistas e papelaria, com -9,4%.

Com relação ao Centro Oeste, Mato Grosso foi o único a apresentar variação positiva na receita nominal. Em relação a junho do ano passado o Distrito Federal teve queda de 7,8%; Goiás, 4,6% e Mato Grosso ficou com -1,3%.

 

ACUMULADO

No acumulado de 12 meses Mato Grosso do Sul também está positivo e acima da média do país. A receita nominal do comércio no Estado cresceu 0,8% enquanto que a global do Brasil caiu 2,1%.

O melhor setor foi outros artigos de uso pessoal e doméstico, que cresceu 14,5%, e o de artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, perfumaria e cosméticos, que avançou 13,3%. Os piores foram os de veículos, motos, partes e peças, com queda de 12,6%, e o de móveis e eletrodomésticos, que despencou 10%.

A pesquisa do IPF-MS tem como objetivo acompanhar o comportamento dos principais segmentos do comércio varejista do Estado, usando como base a Pesquisa Mensal do Comércio do IBGE.

Resultado Nominal é o conceito fiscal mais amplo e representa a diferença entre o fluxo agregado de receitas totais (inclusive de aplicações financeiras) e de despesas totais (inclusive despesas com juros), num determinado período.