FCO quer injetar R$ 200 milhões em micro e pequenas empresas de MS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Apenas as grandes empresas geraram 51.310 empregos no ano passado em Dourados - foto: Arquivo
O comércio de Mato Grosso do Sul tem disponível R$ 200 milhões do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) empresarial. O aumento do montante, que anteriormente era de R$180 milhões, beneficiará as Micro e Pequenas Empresas (MPEs) do Estado.

De acordo com o representante da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio-MS) no Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis (CEIF) pelo FCO, Hermas Renan Rodrigues, as micro e pequenas empresas poderão ser as mais beneficiadas do setor comercial com a alteração na Lei para financiamento do FCO, que aumentou o valor destinado ao capital de giro das pequenas e médias empresas  para R$ 200 mil (antes era R$ 180 mil). Já o teto do empréstimo para o microempreendedor individual (MEI) passa de R$ 7 mil para R$ 10 mil. “Acreditamos que o valor vai atender a demanda dos empresários que ainda estão receosos de fazer financiamento depois de um período sofrido para o setor varejista”, diz Hermas.

O valor já contratado pelas MPEs junto ao Banco do Brasil soma R$ 220 milhões, distribuídos em 1.459 contratos. Conforme a Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), a linha empresarial do FCO ainda dispõe de R$ 200 milhões para atender novas propostas. O prazo para firmar contratos se encerra em 15 de dezembro e é importante que todo esse volume seja disponibilizado ao mercado em tempo hábil para capacitar o Estado a manter ou ampliar a fatia que detém no Fundo. De acordo com Hermas, foi percebido, ao longo dos últimos meses, o interesse de supermercadistas e também de varejistas do ramo de calçados nessas linhas, com mais facilidades, por isso acredita-se que será  ampliado para outros os setores.

Para o presidente do Sistema Fecomércio-MS, Edison Araújo, as mudanças das regras do FCO atendem reivindicação antiga do setor. “O anúncio vem numa hora importante em que temos importantes compromissos trabalhistas e legislativos a cumprir; por isso pode representar uma saída e oportunidade de utilização de recursos para financiamento e investimento nas áreas de infraestrutura e de estoques, por exemplo”.

O recurso pode ser solicitado por qualquer empreendimento formalizado que tenha atividade produtiva no Estado. No caso dos pequenos negócios, é preciso estar enquadrado em algum porte de empresa, o que vai depender do faturamento anual. Para Microempreendedor Individual, o faturamento é de até R$ 81 mil, Microempresa até R$ 360 mil e Pequena Empresa deve ser acima de R$ 360 mil e até R$ 4,8 milhões por ano.