Extinção de empresas bate recorde

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Em Maio, o número de empresas extintas em MS teve crescimento de 25% em maio, passando de 206 em abril para 259 no mês passado (Foto: Divulgação)
Em Maio, o número de empresas extintas em MS teve crescimento de 25% em maio, passando de 206 em abril para 259 no mês passado (Foto: Divulgação)

Da Redação

Dados divulgados pela Jucems (Junta Comercial de Mato Grosso do Sul), mostram que a crise econômica tem atingido em cheio a classe empresarial no Estado. Em Maio, o número de empresas extintas em MS teve crescimento de 25% em maio, passando de 206 em abril para 259 no mês passado. Este é o maior número de comércios fechados desde 2013 no Estado.

No mês passado, três empresas declararam falência, sendo o maior número dos últimos cinco anos no Estado. Outra baixa que chama a atenção é que 52 filiais foram extintas em maio e no acumulado do ano, 214 filiais foram fechadas.

De empresas constituídas, 482 foram abertas no mês passado e a queda em relação a abril é de 9%, depois de três meses em um ritmo bom de criação de comércios.

De acordo com o presidente da Jucems, Augusto César Ferreira, as quedas são em relação ao momento econômico que o país vive.”Outro fator que contribui para o fechamento de empresas é que em fevereiro do ano passado, foi feita uma alteração em que o empresário pode dar baixa no CNPJ e a ter os débitos da empresa transferidos para o seu CPF”, explica.

Com a medida, o empresário pode abrir uma nova empresa, mesmo que tenha débitos em seu nome. “Sendo assim, houve elevação no número de empresas fechadas. Mas vamos acompanhar os números para ver se a partir de agora serão positivos ou negativos, pois a Jucems é um reflexo do que está acontecendo na economia”.

Em contrapartida, 2.447 empresas foram alteradas, maior número desde 2004 e isso significa que os empresários estão fazendo mudanças e até ampliando os comércios. “São empresas que trocaram de dono ou que ampliaram o espaço e vemos esse número com boa alternativa”, disse. (Com informações da Jucems).