Em 10 meses, MS exportou quase o total registrado em todo o ano passado

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

exporta

Mato Grosso do Sul exportou US $ 5.050 bilhões nos dez meses de 2020, o que representa 97% do total enviado ao exterior em todo o ano passado, quando foram negociados US $ 5.217 bilhões.

De janeiro a outubro de 2019, o Estado havia exportado US $ 4.502, ou seja, foram US $ 548 milhões (ou R $ 2.964 bilhões) a mais neste ano, mesmo diante da pandemia da Covid-19.

Em dez meses, a balança comercial de MS alcançou superavit de US $ 3.492 bilhões, montante 33,14% superior ao mesmo período de 2019, quando a diferença entre exportações e pesquisas chegou a US $ 2.622 bilhões.

As informações foram publicadas ontem na Carta de Conjuntura do Setor Externo.

De acordo com a Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar ( Semagro ), o resultado é consequência da valorização do dólar e da ampliação das exportações estaduais.

“A moeda brasileira acumula desvalorização de 37% em um ano e esse é o principal motivo para a expansão das exportações do Brasil, claro que somado à demanda pelos nossos produtos. Em Mato Grosso do Sul, os grãos, as carnes, a celulose, açúcar e ferro são itens com alta nas exportações ”, explica o titular da Semagro, Jaime Verruck.

Produtos

Em relação aos principais produtos exportados, a soja em grão apareceu como o primeiro produto na pauta de exportações, com 31,87% do total exportado em termos de valor e aumento de 54,88% em relação ao mesmo período no ano passado.

De janeiro a outubro foram US $ 1.609 bilhão em ambientes ao exterior, ante US $ 1.039 bilhão negociados no mesmo período do ano passado.

Em relação ao volume, houve aumento de 60,49%. Em 2020 foram expressos 4,7 milhões de toneladas de soja ao exterior, ante 2,9 milhões em 2019; o que significa que praticamente 40% da safra do grão , que atingiu recorde de 11,3 milhões de toneladas, foi destinada ao mercado externo.

O segundo produto da pauta de exportações foi a celulose, com 28,33% de participação.

Em termos de valor, foi registrada queda de 15,84%. Em 2019 foram US $ 1,7 bilhão em negócios, e em 2020 foram US $ 1,4 bilhão no mesmo período. Já em relação ao volume exportado, houve aumento de 7,34%, passando de 3,5 milhões de toneladas para 3,8 milhões de toneladas.

A redução no montante negociado, segundo o documento da Semagro, foi principalmente em decorrência da queda de preço do produto.

Ainda conforme o documento, como exportações de carne bovina se mantiveram estáveis; as de carne de aves cresceram 10,3% neste ano.

Os destaques dos 10 primeiros meses de 2020 são para os óleos e gorduras vegetais e animais, que tiveram aumento de 149% nas exportações; o açúcar, que aumentou em 317% os envios para o exterior; e o ferro-gusa, que registra crescimento de 377%. O algodão também tem um aumento de 41% em 2020 em relação a 2019.

Nos dez meses de 2020, as importações somaram US $ 1.558 bilhão, queda de 17% em comparação aos US $ 1.879 bilhão negociados no mesmo período do ano passado.

Apesar de queda de 11% sem volume negociado, o gás natural segue como o principal produto das importações de Mato Grosso do Sul. Em 2020, foram US $ 813.128 milhões na compra do produto, enquanto em 2019 foram investidos US $ 913.958 milhões.

De acordo com o especialista em comércio exterior Aldo Barrigosse, apesar da redução nos preços da celulose, que poderia pesar no desempenho de MS, a valorização de outros produtos da pauta mantém o aumento das exportações.

“As commodities valorizaram no mercado internacional, em decorrência da valorização cambial. A soja registrou crescimento de 54% e participação de 31%, além da celulose e carnes, que foram os principais produtos exportados ”, disse, ressaltando ainda que a tendência é continuar em expansão.

“A expectativa é manter o ritmo forte nas vendas até o fim do ano. O Brasil é líder em vendas de alimentos para o mundo. E Mato Grosso do Sul é um grande fornecedor ”, destaca Barrigosse.

Escoamento

Os portos de Santos e Paranaguá seguindo os principais pontos de escoamento da produção, mas, mesmo com a seca histórica em 2020 , como exportações pelo porto de Porto Murtinho teve aumento de 57%.

“Os números mostram o quanto Mato Grosso do Sul é competitiva no mercado internacional ea necessidade de investirmos em logística para tornar o Estado ainda mais forte lá fora. Dentro disso, lembramos da Rota Bioceânica em andamento e que deve contribuir grandemente para que possamos acessar mercados asiáticos, tão importantes para o Estado ”, destaca o secretário Jaime Verruck.

Entre os municípios, Três Lagoas continua figurando como o maior exportador de Mato Grosso do Sul, com 41,63% dos valores exportados, com composição baseada principalmente nas exportações na indústria de papel e celulose. Ele é seguido de Dourados, com 13,11% de participação, e Campo Grande, com 8,93%.