Dourados poderá receber o primeiro Food Park no campus da UFGD

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

food truk ufgd
Reunião para discutir a implantação de um Food Truck na UFGD. (Foto: Divulgação).

A UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) está interessada em implantar um Food Truck (parque de alimentação a céu aberto) no campus II, que fica localizado na Cidade Universitária, a 12 quilômetros do centro da cidade.

A universidade pretende expandir as opções de alimentação no local, que conta apenas com o Restaurante Universitário e cantina. O chefe de gabinete da Reitoria, Henrique Sartori de Almeida Prado, diz que falta opção em um local para atender um público de 10 mil pessoas diariamente, entre alunos, professores e técnicos.

Durante reunião para discutir o assunto foi decidido um evento teste, que indicaria a viabilidade de um Food Park permanente. Participaram desse encontro com a equipe da UFGD o vereador Mauricio Lemes (PSB), autor da Lei já aprovada pela Câmara de Vereadores, que regulamenta a atividade dos Food Trucks, representantes de Food Trukcs já instalados no município, representante da Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes).

Para implantar o Food Truck a UFGD definirá um local e fará adaptações. Preços também serão discutidos, adaptando à realidade do público estudantil.A segurança do local também foi discutida.

O empreendedor Marcos Senna, que chegou de Manaus para trabalhar na cidade, participou da reunião e disse que está animado com o projeto. O vereador Maurício também destaca a importância da proposta. “É preciso reduzir a burocracia, diminuir taxas e tributos, ou seja, dar agilidade e gerar novas oportunidades em Dourados”, afirma Mauricio.

 

A Lei

Já foi aprovada na Câmara Municipal a Lei que implementa a atividade de Food Trucks em Dourados. Segundo o autor, o vereador Mauricio Lemes, a legislação vem atender a necessidade de geração de empregos e oportunidades, ainda mais diante da crise econômica e política em que passa o Brasil. O próximo passo é a sanção do Poder Executivo.

O texto dispõe sobre as regras para o funcionamento dos veículos automotivos que realizam a comercialização de alimentos em vias e áreas públicas, conhecido também como alimentação de rua ou comida sobre rodas. O que não se aplica, no entanto, a Feiras Livres ou qualquer outra atividade já prevista em Lei específica.

“Como todo comércio, há direito e deveres”, explica Mauricio. Segundo a legislação, os automóveis tem uma medida específica, com comprimento máximo de 6,30 metros e largura máxima de 2,20 metros. O funcionamento será exercido mediante permissão de uso, incumbindo a Secretaria de Desenvolvimento Econômico Sustentável estabelecer o número permitido, devendo indicar também os pontos possíveis para o estabelecimento.

Ainda de acordo com a Lei, o armazenamento, transporte, manipulação e a venda de alimentos deverão observar a legislação sanitária vigente no âmbito federal, estadual e municipal. “Há exigências quanto ao padrão de qualidade, quanto à distância de outros restaurantes. Não é uma atividade que isenta o empreendedor, por isso, não é uma concorrência desleal”, afirma Mauricio.

O principal, segundo o parlamentar, é que a Lei foi pensada para proteger os douradenses. “Um projeto desenvolvimentista para impedir que Dourados entre em um processo de recessão devido à situação nacional. Pensando no respeito aos trabalhadores, na manutenção da renda das famílias, nas necessidades básicas dos indivíduos, na ocupação de espaços públicos garantindo o bem-estar social”, afirma. (Da Redação, com informações da Assessoria).