BRASILEIRO EMPOBRECE E GASTA MENOS COM O PAI

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

 

Pais_Portal_fecomercio-622x415
Estimativa é de que o Dia dos Pais movimente R$ 75,486 milhões na economia das 78 cidades do Estado. (Arte: Fecomércio).

 

Dênes de Azevedo

 

Pesquisa do IPF-MS (Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio MS) e Sebrae-MS, divulgada nesta terça-feira, revela que a situação econômica das pessoas piorou do ano passado para cá e que, em função disso, vão gatar menos com o presente do Dia dos País, a ser comemorado no dia 7 de agosto.

De acordo com a pesquisa, feita em 11 cidades de Mato Grosso do Sul, incluindo Dourados, 38,9% da população acha que o cenário econômico está pior, enquanto que para 41,5% está igual (relembre que em junho do ano passado já se falava que o Brasil estava em crise). Apenas para 19,7% está melhor.

Como resultado desta visão a intenção de gasto médio no comércio com o presente do pai é menor, caindo 10,56%, de R$ 130 no ano passado para R$ 117,58 este ano. “A perda real do gasto médio com o presente em 10% está intimamente ligada com a evolução da situação financeira das famílias”, afirma o presidente do Sistema Fecomércio MS, Edison Araújo.

A estimativa é de que o Dia dos Pais movimente R$ 75,486 milhões na economia das 78 cidades do Estado, contra R$ 161,758 milhões no ano passado. A redução no consumo é de 53,3% em relação a 2015.

 

 

 

MOVIMENTAÇÃO ECONÔMICA NOS 11 MUNICÍPIOS PESQUISADOS

Por ordem de crescimento/queda

 

1 – Três Lagoas: R$ 6,006 mi (2016) e R$ 5,014 mi (2015) – Crescimento de 19,78%

2 – Corumbá/Ladário: R$ 3,879 mi (2016) e R$ 3,748 mi (2015) – Crescimento de 3,49%

3 – Nova Andradina: R$ 1,466 mi (2016) e R$ 1,861 mi (2015) – Queda de 21,22%

4 – Aparecida do Taboado: R$ 828 mil (2016) e R$ 1,116 mi (2015) – Queda de 25,80%

5 – São Gabriel do Oeste: R$ 774 mi (2016) e R$ 1,105 mi (2015) – Queda de 29,95

6 – Dourados: R$ 6,508 mi (2016) e R$ 10,160 mi (2015) – Queda de 35,94%

7 – Ponta Porã: R$ 2,005 mi (2016) e R$ 3,746 mi (2015) – Queda de 46,47%

8 – Aquidauana/Anastácio: R$ 1,168 mi (2016) e R$ 2,382 mi (2015) – Queda de 50,96%

9 – Naviraí: R$ 765 mil (2016) e R$ 1,768 mi (2015) – Queda de 56,73%

10 – Campo Grande: R$ 15.938 mi (2016) e R$ 44,655 mi (2015) – Queda de 64,30%

11 – Chapadão do Sul: R$ 343 mil (2016) e R$ 1,326 mi (2015) – Queda de 74,13%

 

VALOR DO PRESENTE

Por ordem de maior valor de intensão de gasto

 

1 – Corumbá/Ladário: R$ 148

2 – Três Lagoas: R$ 146

3 – Chapadão do Sul: R$ 130

4 – São Gabriel do Oeste: R$ 128

5 – Aquidauana/Anastácio: R$ 122

6 – Nova Andradina: R$ 118

7 – Dourados: R$ 116

8 – Campo Grande: R$ 98

9 – Ponta Porã: R$ 97

10 – Naviraí: R$ 93

11 – Aparecida do Taboado: R$ 84

 

Mato Grosso do Sul – média: R$ 118

 

% DE CONSUMIDORES QUE IRÃO ÀS COMPRAS

Por ordem decrescente

 

1-  Aparecida do Taboado: 82%

2 – Três Lagoas: 63,5%

3 – Corumbá/Ladário: 62,5%

4 – Dourados: 57,5%

5 – São Gabriel do Oeste: 55%

6 – Nova Andradina: 54%

7 – Ponta Porã: 51%

8 – Aquidauana/Anastácio: 48%

9 – Campo Grande: 40,6%

10 – Naviraí: 37,5%

11 – Chapadão do Sul: 24%

 

Mato Grosso do Sul – média – 51%

 

PIORES

Quando se analisa a frequência da cidade nas quatro últimas posições dos três rankings apresentados acima a crise econômica parece ter afetado mais os municípios de Naviraí (3 frequências) e Campo Grande (também 3 frequências).

Naviraí tem a 9ª maior queda (56,73%) no volume previsto de movimentação, o 10º menor valor do presente (R$ 93) e 10ª menor intenção de ir às compras (37,5%). Já a capital tem 10ª maior queda na movimentação prevista (64,30%), o 8º pior valor do presente (R$ 98) e a 9ª pior intenção de ir às compras (40,6%). A seguir, os números indicam que Chapadão do Sul e Aquidauana/Anastácio também não vivem um bom momento econômico.

Por outro lado, na ponta de cima estão para Três Lagoas, cuja base da economia é a celulose, que se encontra num momento, e Corumbá/Ladário, cuja retomada da produção de minério de ferro mantém bons níveis de salários. Três Lagoas (1ª) e Corumbá/Ladário (2ª) são as únicas cidades em que haverá crescimento nas vendas para o Dia dos Pais. Essas duas cidades também tem as maiores intenções de valor de compra do presente. R$ 148 em Corumbá/Ladário e R$ 146 em Três Lagoas. Aparecida do Taboado também aparece bem no geral, na pesquisa.

 

16,8% AINDA NÃO SABEM O QUE COMPRAR

 

Os presentes mais citados foram vestuário (43,9%), perfume/cosméticos (14,8%) e calçados (12%). O índice dos que não sabem o que vão presentear está alto: 16,8%. “Esse indicador mostra que os comerciantes devem se preparar para cativar e fechar a venda com esse público lembrando que os fatores decisivos são qualidade do produto, preço e atendimento”, afirma a economista Regiane Oliveira, da Fecomércio/MS.

A pesquisa mostra que 51% da população economicamente ativa deve ir às compras em Mato Grosso do Sul e o consumidor de Dia dos Pais deste ano é formado na maioria por mulheres (55,4%) e jovens, com idade entre 18 e 29 anos (51,8%). A maioria dos que vão comprar presente é assalariada (50%).

Dos 56,7% que vão comemorar a data, 87,4% irão a casa de familiares ou farão a comemoração em casa; 6,6% vão a restaurantes, 4,3% pretendem viajar e 1,6% fazer atividades ao ar livre.

“Seja na casa de familiares, nas próprias residências, restaurantes e/ou viagens. Essa medição serve para auxiliar a tomada de decisões por parte dos empresários do ramo de mercados, padarias, rotisserias, churrascarias e restaurantes”, aponta a Fecomércio. (Com Assessoria da Fecomércio/MS).