Mesmo diante da crise, 10 Pastéis planeja levar franquia para fora do país

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

A recessão prolongada e o caos político, que fazem muita gente alimentar o sonho de morar fora do país, estão mexendo com o plano de negócios 10 Pastéis. A rede paranaense está tocando um projeto de internacionalização para atender à crescente demanda de empreendedores brasileiros que desejam abrir uma franquia no exterior.

Cristina Fischer, gerente de expansão: número de interessados em abrir franquia no exterior disparou. Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
Cristina Fischer, gerente de expansão: número de interessados em abrir franquia no exterior disparou. Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

“Normalmente recebíamos, por ano, uma média de quatro pessoas interessadas em levar a marca para fora do país. No ano passado, foram dez interessados por mês. São brasileiros que pretendem morar fora”, conta Cristina Fischer, gerente do departamento de expansão da 10 Pastéis.

Mas o projeto, desenvolvido em parceria com a Associação Brasileira de Franchising (ABF), não é para já. “Estamos organizando tudo, estudando a legislação internacional. Inicialmente, é um projeto para daqui a dois anos, mas a meta é bem aberta. Dependendo da política, da economia, de como vai seguir o mercado, poderemos antecipar para 2017”, explica a executiva.

Modelo mais enxuto

A 10 Pastéis alcançou a marca de 50 lojas em março, três meses depois do planejado. Culpa da insegurança causada pela crise. Cristina explica que, embora o número de interessados em uma franquia tenha triplicado no ano passado, a taxa de conversão – que indica quantos candidatos de fato se tornaram franqueados – caiu 30% em relação a 2014.

 Para se adaptar ao cenário mais difícil, a 10 Pastéis criou um modelo “express”. Antes focada em lojas, a rede agora oferece também o formato de quiosque. Nele, o investimento inicial cai para algo entre R$ 120 mil e R$ 150 mil. No sistema convencional, o valor varia de R$ 200 mil a R$ 300 mil.

“Assim podemos atender investidores com menos recursos, e há flexibilidade para colocar pontos de venda em lugares menores”, diz Cristina.

Da Gazeta do Povo