Vídeo apresenta tecnologia empregada em Selvíria para recuperação de pastagens degradadas

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Fazenda_S_Mateus_por_Silvia_Zoche (4) (1)
Fazenda São Matheus há a nove anos utiliza sistema que viabiliza a produção de soja em região com solos arenosos. (Foto Silvia Zoche).

A Embrapa Agropecuária Oeste está divulgando um novo vídeo que apresenta o case de sucesso da fazenda São Matheus, localizada em Selvíria (MS), na região do Bolsão. A fazenda utiliza há a nove anos o Sistema São Mateus, que viabiliza a produção de soja em região com solos arenosos, contribuindo ainda com a recuperação das pastagens degradadas por meio de ILP. Assista o vídeo, clique http://bit.ly/2b3xP0H

O vídeo conta com apoio da Rede de Fomento em ILP. Foi realizado pelo Núcleo de Comunicação Organizacional (NCO) da Embrapa Agropecuária Oeste e contou com a prestação de serviços da produtora de vídeo Via Rural, além de envolvimento da equipe de pesquisadores ao longo de todo o processo.

O produtor rural Mateus Arantes, proprietário da fazenda São Matheus (fazenda que deu o nome ao sistema) está muito satisfeito com o uso da Integração-Lavoura-Pecuária (ILP) que proporcionou a recuperação das pastagens e vem apresentando resultados financeiros positivos ao longo dos anos.

“Ainda no primeiro ano de implantação do Sistema São Mateus, a produção da safra de soja foi suficiente para pagar os gastos com a implantação do sistema, como insumos para correção química do solo, aquisição de sementes de pastagens adequadas ao solo arenoso e de sementes de soja”, explica Arantes.

Curiosamente, Mateus destaca que um dos maiores obstáculos para a adoção da ILP é o costume arraigado da monocultura no cenário nacional. “A adoção do ILP demanda o desenvolvimento de novas habilidades por parte dos pecuaristas e dos agricultores, incentivando uma saudável troca de experiências e o fortalecimento de parcerias em favor do aumento da produtividade do campo, porém, isso envolve a quebra de paradigmas”, analisa ele.

A região da Costa Leste de Mato Grosso do Sul, também conhecida como Bolsão-Sul-Mato-Grossense, possui solos arenosos e chuvas distribuídas durante o ano de forma irregular. Há muitos anos, acreditava-se que, por esses motivos, seria impossível implantar a agricultura, especialmente o cultivo de soja, na região.

Mas, depois de nove anos de trabalho com soja, pastagem e pecuária, profissionais da Embrapa Agropecuária Oeste, Embrapa Gado de Corte e de instituições parceiras obtiveram resultados impressionantes. A média produtiva de carne subiu de seis para 20 arrobas por hectare e ainda foram obtidas 50 sacas de soja por hectare, em média, no mesmo sistema.

Isso significa que a prática da ILP viabiliza a agricultura na região, sem abandonar a pecuária. O sistema utilizado no Mato Grosso do Sul foi batizado como Sistema São Mateus (SSMateus). O destaque dessa tecnologia, validada pela Embrapa Agropecuária Oeste (MS) e Embrapa Gado de Corte (MS), é a correção química e física do solo antes de implantar a lavoura, além da formação de palhada para o plantio direto da soja. “Após a colheita, a área é usada como pasto por dois anos, depois a soja retorna e assim vão se alternando”, explica o pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste, Júlio Cesar Salton.

Se adotada e conduzida de modo adequado e por um período suficientemente longo, o cultivo de soja, por meio de rotação de culturas, incluindo pastagens, apresenta inúmeras vantagens ao pecuarista: produção diversificada de alimentos e outros produtos agrícolas, melhoria das características físicas, químicas e biológicas do solo; auxílio no controle de plantas daninhas, doenças e pragas; reposição de matéria orgânica e proteção do solo  contra a ação dos agentes climáticos.

O plantio de braquiária costuma quebrar o ciclo de doenças e pragas que atacam a soja. “Porém, é bom lembrar também que soja não substitui a pastagem. Ela entra nas propriedades como uma boa alternativa rentável”, ressalta o pesquisador. (Da Assessoria da Embrapa Agropecuária Oeste).

 

Veja o vídeo, clique http://bit.ly/2b3xP0H