Valorização da pecuária de corte aquece busca por terras em todo o país para criar bezerros

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

 

pecuaria-bezerros
Cresce o negócio da criação de bezerros no Brasil. (Foto: Fazenda Veredas).

A valorização da pecuária de corte nos últimos anos, com preços em alta e crescimento das exportações, também vem trazendo reflexos na área dos imóveis rurais. Com o domínio dos grãos, especialmente da soja, parte dos terrenos reservados para a atividade de criação de gado foi destinada para lavouras, mas a procura por terras para a produção de terneiros vem aumentando.

De acordo com o diretor da imobiliária Trajano Silva, do Rio Grande do Sul, Gonçalo Silva, com este aquecimento do mercado, o setor de imóveis rurais da empresa vem recebendo diversas sondagens de clientes que buscam novas áreas para a criação. “Temos recebidos inúmeras consultas para terras para a pecuária. Nos últimos anos a procura era para a lavoura, mas no ano passado tivemos uma mudança grande para a atividade da criação na pecuária de corte”, salienta.

Conforme o dirigente, estes novos investidores estão procurando no gado de corte um negócio com rentabilidade. “Estamos com uma oferta grande, com mais de 150 áreas por todo o Sul do Brasil, e muitas delas vão trocar de mãos. Empresários estão entrando no setor do agronegócio e áreas de famílias tradicionais estão trocando de dono”, observa.

Silva revela que a maioria dos interessados estão buscando comprar terras até pela dificuldade de achar no mercado arrendamentos disponíveis devido a uma grande procura por áreas. “O arrendamento é quase que diário, mas está muito difícil de achar terras. Quando se abre uma área logo um amigo ou vizinho arrenda a mesma num piscar de olhos. Algumas famílias mais tradicionais colocam na ponta do lápis e o arrendamento tem sido uma garantia de retorno sem preocupação”, avalia. (Do Agrolink/Famasul).