Simpósio debate produtividade na cultura da soja na Expoagro

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Orlando Carlos Martins fala no simpósio sobre a soja. (Foto: Divulgação).
Orlando Carlos Martins fala no simpósio sobre a soja. (Foto: Divulgação).

O aumento na produtividade, manejo sustentável e a incidência de doenças nas lavouras de soja foram temas do XVII Simpósio de Agricultura e IV Fórum de Produtividade, realizados nesta segunda-feira (15) dentro da programação da 53ª Expoagro. O evento técnico lotou o auditório do Parque de Exposições João Humberto de Carvalho, e apresentou aos produtores alternativas para aumentar a produção e alcançar melhores índices de produtividade. A Expoagro segue até domingo (21), com ampla programação técnica, área expositora, praça de alimentação e shows musicais.

O engenheiro agrônomo e consultor João Paulo Dantas foi um dos palestrantes do dia e falou sobre práticas fundamentais para aumentar a produtividade no cerrado. Ele comentou sobre o clima instável na região Centro-Oeste e de que maneira isso interfere no resultado obtido nas lavouras. “Infelizmente, o produtor ainda não está preparado para a adversidade climática”, avaliou.

Com relação ao aumento na produtividade das lavouras, ele citou práticas como solo bem corrigido, sementes de qualidade e manejo para proteção do plantio, mas advertiu que tudo depende do que é feito antes da planta entrar no solo. “O segredo para a boa produtividade é que a produção seja construída com muito cuidado, antes do plantio. Qualquer ação feita depois disso é para manter um trabalho que foi feito anteriormente”, orientou.

Outra palestra do seminário foi ministrada pelo engenheiro agrônomo Orlando Carlos Martins, que é membro do CESB (Comitê Estratégico Soja Brasil). Ele também abordou a busca por novos patamares de produtividade na cultura de soja e disse que tudo depende da possibilidade de água para a planta, o que inclui a correção de perfil e a descompactação do solo. “Isto pode ser feito por equipamentos mecânicos ou plantas de cobertura. O importante é que o manejo de alguma forma favoreça que a planta tenha mais acesso à água”, explicou.