Setor produtivo de MS captou mais de R$ 1 bilhão na pandemia

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
METADATA-START
METADATA-START

Uma das maiores dificuldades apontadas pelo setor produtivo durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) é conseguir acesso ao crédito para custeio e capital de giro.

Dados do Banco do Brasil (BB) demonstram que, considerando todas as linhas disponíveis para empresários e ruralistas, em Mato Grosso do Sul foram liberados R$ 1,041 bilhão até a primeira quinzena de julho.

O Banco do Brasil informou que foram R$ 82,1 milhões contratados no Plano Safra, R$ 833,5 milhões do Fundo Constitucional do Centro-Oeste (FCO) e R$ 125,5 milhões do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe). Somados, os recursos chegam a R$ 1,041 bilhão.

Plano safra

Lançado no dia 17 de junho e acessível desde o dia 1º deste mês, o Plano Safra 2020/2021 oferece ao produtor rural crédito para custeio, investimentos, comercialização e industrialização. Nesta edição foram disponibilizados R$ 8,6 bilhões para o produtor sul-mato-grossense.

“Desde o primeiro dia, os produtores de MS já estão contratando suas operações de crédito. O Banco do Brasil está disponibilizando na nova safra 12% a mais do que o realizado na safra 2019/2020. Até o dia 10 de julho, foram desembolsados R$ 82,1 milhões no Estado”, informou o vice-presidente de Agronegócios e Governo do Banco do Brasil, João Pinto Rabelo Junior.

Do montante, R$ 77 milhões foram aplicados na agricultura empresarial, R$ 3,5 milhões para os médios produtores e R$ 1,6 milhão na agricultura familiar.

De acordo com o presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de MS (Aprosoja-MS), André Dobashi, o Plano Safra é de extrema importância para o produtor, não só sul-mato-grossense, mas para o brasileiro de uma maneira geral.

“A gente observa e parabeniza o trabalho da ministra Tereza Cristina. A gente viu o esforço para priorizar o seguro para o produtor rural, a gente vê um recurso bastante expressivo para fomentar essa segurança para o produtor, que é muito dependente do seguro pelas adversidades”, disse.

Condições

O custo do crédito para produtores rurais inscritos no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) varia de 2,75% a 4% ao ano para custeio e comercialização.

No Plano Safra do período anterior, a variação era de 3% a 4,6% ao ano.

Os juros também foram reduzidos para produtores rurais assistidos pelo Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp), de 6% para 5% ao ano.

Para grandes produtores, a redução da taxa de juros no Banco do Brasil foi maior, dois pontos porcentuais – de 8% ao ano para 6% ao ano.

“As taxas de juros menores para pequenos e médios produtores valorizam a agricultura familiar, que é muito importante para que a gente consiga promover competitividade para o pequeno e o médio [produtor]. E os médios e grandes produtores também não ficaram de fora”, explicou Dobashi.

Rabelo Junior ainda explica que, além dessas linhas, o banco disponibiliza outras alternativas de financiamento, como as possibilidades em mercado de capitais e Cédula de Produto Rural (CPR), por exemplo.

FCO

Outra opção que inclui produtores rurais e empresários é a linha do FCO. Para aplicação em 2020 pelo Banco Brasil, estão previstos recursos de R$ 1,24 bilhão para o Estado.

Destes recursos, o porcentual de 50% é destinado para aplicação no setor rural e 50% para o setor empresarial. Os recursos previstos poderão ser remanejados no âmbito da unidade federativa, de acordo com a demanda que efetivamente se verificar.

“Até o mês de junho já foram desembolsados R$ 833,5 milhões em MS. Assim, para o segundo semestre de 2020, o Banco do Brasil conta com uma previsão orçamentária na ordem de R$ 413,5 milhões para o Estado”, informou Rabelo Junior ao Correio do Estado.

Empresários

A linha Capital de Giro Emergencial do FCO disponibilizou R$ 204 milhões para empresas e cooperativas com faturamento inferior a R$ 90 milhões anuais, com teto de R$ 100 mil por beneficiário para custeio ou de R$ 200 mil para investimentos.

A taxa de juros é de 2,5% ao ano, com 24 meses para pagamento e carência até dezembro de 2020.

Para quem já tem contratos, o BB prorrogou as parcelas do FCO empresarial de agosto e setembro e o pagamento ficou para 2021, beneficiando 6 mil contratos empresariais.

Outra linha para facilitar o acesso de empresários ao crédito é o Pronampe. No programa foram atendidas 2.175 empresas em um montante total de R$ 125,5 milhões.

A linha é destinada a capital de giro para empresas que faturam até R$ 4,8 milhões por ano, e o limite de financiamento é de até 30% da receita bruta de 2019 informada à Receita Federal. Com oito meses de carência e 28 meses para pagamento, a taxa de juros é equivalente à Selic (2,25%) mais 1,25% ao ano.

O Pronampe disponibilizou R$ 5 bilhões para todo o País, que se esgotaram em menos de 10 dias.

De acordo com a economista do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Fecomércio-MS (IPF-MS, Daniela Dias, com o início da retomada do consumo e a facilitação de crédito, alguns empresários começam a vislumbrar recuperação: “Uma das principais dificuldades ainda se volta para a parte de garantias. A gente já percebe uma facilitação e, principalmente, um grande apoio do Sebrae em relação às garantias desses empréstimos. Por isso, tivemos a amenização do cenário no comércio”.

O presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-MS), Juliano Wertheimer, disse que, “apesar do alto nível de liberação de recursos no setor, poucos conseguiram acessar o crédito”.