Redução de crédito ao produtor pode afetar produtividade das lavouras

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

O resultado do levantamento realizado pela Fiesp e OCB sobre crédito, denominado Sondagem de Mercado do Agricultor, realizado em julho, que apontou que o produtor deverá entrar com 35% de capital próprio no financiamento da safra 2015/16 traz consequências para a lavoura. O estudo mostra, entre outras coisas, que o aperto do crédito vai afetar a dosagem de fertilizantes a ser utilizado pelo produtor.

Assim como toda cultura agrícola, a produtividade da cana está diretamente relacionada aos níveis nutricionais e disponibilidade de água, além do tipo de solo e dos tratos culturais praticados durante seu ciclo produtivo, comenta Marcos Kashiwa, técnico da MBF Agribusiness.

“A redução nos níveis de adubação, se associada à redução em tratos culturais (controle de plantas daninhas e de pragas), impactará diretamente na produtividade e longevidade da lavoura em decorrência da degeneração do padrão da mesma”, continua Kashiwa.

Segundo Kashiwa, a redução da adubação pode afetar também o subdesenvolvimento das lavouras e causar seu consequente enfraquecimento, tornando-as mais suscetíveis à pragas e doenças.

Além disso, a redução no controle de plantas invasoras implica em concorrência nutricional além da elevação do banco de sementes, o que demandará operações futuras mais intensas no controle das invasoras.

Essa dificuldade na obtenção de créditos a taxas mais atrativas aliada à alta nos preços de insumos, obriga o produtor a rever seu planejamento agrícola, mesmo que isso venha a incorrer em queda da produtividade o que prejudicará o seu caixa.

Comprar produtos atrelados ao dólar, com a atual cotação, não é garantia de conseguir repassar nos produtos na nova safra, pois a tendência é a moeda se estabilizar em um patamar menor que o atual, salienta Marcos Françóia, diretor da MBF Agribusiness.

Para resolver a questão de financiamento da cana-de-açúcar, a Organize, consórcio empresarial que chega forte ao mercado, está encabeçando um projeto junto a grandes empresas de químicos e adubos, que deverá ser anunciado em breve.