Recessão na economia chinesa pode afetar Mato Grosso do Sul

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

A economia chinesa vem dando sinais claros de recessão e de uma mudança no sistema econômico que está assustando vários países, entre eles, o Brasil. Mesmo que os efeitos ainda não estejam sendo sentidos, a queda no crescimento pode impactar o Mato Grosso do Sul, que tem no país da Ásia, um dos maiores compradores de matérias-primas como soja, minério de ferro e couro bovino.

Chineses estão entre os maiores compradores de matérias-primas produzidas em MS, como o couro bovino
Chineses estão entre os maiores compradores de matérias-primas produzidas em MS, como o couro bovino

De acordo com o consultor em comércio exterior Aldo Barigosse, a desaceleração da economia chinesa, que já está ocorrendo há dois anos, pode diminuir o volume de compras de produtos produzidos no Estado. Por enquanto, pode-se falar apenas em tendências e cenários possíveis, já que os efeitos seriam sentidos a médio e longo prazo, uma vez que os contratos de compra e venda são longos e os executados no momento, já haviam sido fechados há vários meses.

“A tendência é de que tenha menos espaço para vender, que eles comprem menos e que esses preços caiam. A produção vai continuar a mesma e os produtores, vão receber, teoricamente, menos por esse produto. O Brasil também vive uma recessão interna e com uma recessão da China, pode prejudicar ainda mais. Por enquanto, não tem como mensurar, mas a tendência é de um impacto significativo”, explica Barigosse.

O consultor alerta que mesmo com o perigo da diminuição das compras pelos chineses, o comércio externo, é feito de exportações e também de importações. Com isso, devido a recessão, a China, que é um dos maiores exportadores de insumos de produção para o Brasil, pode inundar o mercado com produtos mais baratos.

“A tendência é de que devido a crise, os produtos deles fiquem mais baratos e impacte o país em várias frentes”, explica. Outro cenário possível, segundo Barigosse é de produtos mais baratos no mercado interno, devido a lei da oferta e procura. “O milho, por exemplo, tem um consumo grande no mercado interno. No Brasil, com as pessoas ganhando pouco, a tendência seria um menor consumo no mercado interno, com absorvição do mercado externo. Mas com um mercado chinês desaquecido, a tendência é sobrar para o mercado interno”.

 

Da Redação, com informações do Midiamax