Produtores de mandioca voltam a ter 30 meses para pagar o Pronaf

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Após articulação de Renato Câmara, governo federal altera regra para concessão de financiamento agrícola que prejudicava 8 mil produtores de mandioca apenas em Mato Grosso do Sul
Após articulação de Renato Câmara, governo federal altera regra para concessão de financiamento agrícola que prejudicava 8 mil produtores de mandioca apenas em Mato Grosso do Sul

O Banco Central publicou na semana passada uma nova resolução alterando para 30 meses o prazo máximo para o reembolso dos financiamentos contratados pelos produtores de mandioca do Estado, através do Pronaf (Programa Nacional da Agricultura Familiar). Na prática, a nova publicação corrige a normativa publicada no final de janeiro pelo governo federal, que havia reduzido para apenas 12 meses o prazo de quitação das operações de custeio agrícola na cultura da mandioca.

No Centro Sul do país (São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul), 90% dos produtores colhem a mandioca em ciclos de 18 e 24 meses. Em Mato Grosso do Sul, a medida prejudicava aproximadamente 8 mil produtores rurais. A mudança de postura por parte do governo federal é considerada pelo deputado estadual Renato Câmara (MDB) uma grande vitória para os produtores de mandioca do Estado.

O deputado, que levantou o problema na Assembleia Legislativa e assumiu o papel de interlocutor dos produtores junto ao governo federal e ao Banco do Brasil, destacou o papel da ministra da Agricultura Tereza Cristina Côrrea da Costa para a resolução do problema.

“É uma vitória da união de esforços. Digo isso porque os produtores se uniram diante da problemática para que tivéssemos força para atuar politicamente, junto a Superintendência do Banco do Brasil e ao governo federal. Também precisamos agradecer o empenho da ministra Tereza Cristina, que nos recebeu com prontidão para discutirmos a situação e, de forma muito ágil, tomou as providências necessárias para reverter a distorção provocada pela antiga resolução, evitando novos prejuízos aos produtores de mandioca de Mato Grosso do Sul e de outros Estados”, disse Renato Câmara.

 

PRODUÇÃO

Mato Grosso do Sul é o segundo maior produtor brasileiro de farinha de mandioca (ou fécula) e um dos principais fornecedores para indústrias de outras regiões. São aproximadamente 8 mil famílias atuando na atividade, mil apenas no município de Ivinhema. Dados da Embrapa indicam produção de 690 mil toneladas da raiz em área de 31.805 hectares no Estado.