Produção agropecuária está consolidada, diz Damália

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Lúcio Damália discursa na abertura da Expoagro, que segue até dia 21 em Dourados. (Foto: Divulgação).
Lúcio Damália discursa na abertura da Expoagro, que segue até dia 21 em Dourados. (Foto: Divulgação).

O presidente do Sindicato Rural de Dourados, Lúcio Damália, abriu oficialmente na manhã deste sábado (13) a 53ª edição da Expoagro, considerada a maior feira agropecuária do Mato Grosso do Sul. A solenidade de abertura aconteceu no auditório do Sindicato Rural, no interior do Parque de Exposições João Humberto de Carvalho e reuniu autoridades nacionais, estaduais e municipais, representantes de entidades e produtores rurais de todo o Estado.

Para Damália, o sucesso da Exposição demonstra que a produção agropecuária na região já está consolidada. Porém, o presidente alegou que o setor sofre ainda com problemas como invasão de terras e a falta de atenção do poder público para demandas cruciais do setor produtivo. “Mesmo com sua contribuição na economia nacional, garantindo superávits, o agronegócio tem sido alvo de ataques irresponsáveis ao direito da propriedade, fora as altas tributações que chegam a inviabilizar muitos negócios”, disse.

Damália citou ainda sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de retorno da cobrança do Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural) e a crise vivida com a operação Carne Fraca, que “maculou toda a cadeia produtiva brasileira e trouxe prejuízos incalculáveis”, afirmou. Sobre a exposição, Damália ressaltou as inovações desta edição como, por exemplo, a ampliação do circuito de palestras com difusão de conhecimento e tecnologia para o produtor rural.

Na abertura do evento, o presidente do Sistema Famasul, Maurício Saito, agradeceu o apoio da Bancada Federal do Estado na defesa dos interesses dos produtores rurais. “Para que possamos evoluir, precisamos do diálogo, de comunicação. A Famasul foi uma das poucas federações no Brasil que patrocinou uma ação contra a forma de cobrança do Funrural, porque defendemos a isonomia de recolhimento, não apenas por entender que devemos pagar menos, mas pagar de forma justa”.

Saito lembrou da evolução da capacidade produtiva que supera 200% de 1991 até agora e a possibilidade, neste ano, de ultrapassar 17,5 milhões de toneladas somente na produção de soja e milho e temos hoje a marca de 800 mil toneladas de carne bovina, 400 mil de aves e acima de 140 mil toneladas de carne suína. “Elevamos nossa capacidade produtiva e seguramos a economia nacional”, declarou.

A vice-governadora do Estado, Rose Modesto, apontou que os bons resultados do setor se devem ao diálogo positivo entre governo e instituições do agronegócio. “Temos um governo sensível às demandas do setor e que tem solicitado, de forma incansável, o olhar da presidência da República para tantas questões que impactam o agronegócio”. A prefeita da cidade de Dourados, Délia Razuk, enalteceu o papel do Sindicato Rural de Dourados e seu trabalho para o desenvolvimento do setor e a importância da união para que o crescimento do Estado. “Todos temos que trabalhar juntos para continuar crescendo”, falou Délia.

Com foco na difusão da agricultura e pecuária, a 53ª Expoagro segue até o dia 21 de maio com ampla programação que inclui eventos técnicos, leilões, julgamentos de raças e shows musicais. A área expositora conta com 80 empresas com apresentação de maquinários e novidades em tecnologia em uma área de 42 hectares.