Preço do litro do leite tem alta de 18% em MS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

leite

O preço do litro do leite ao consumidor teve reajuste de até 18,58% em Mato Grosso do Sul, impactado pela pandemia da covid-19, que provocou redução das importações e das vendas internas, com fechamento de escolas, bares e restaurantes. Nos derivados, a alta foi de 22%.

O índice foi acima da média esperada para o período de estiagem, regularmente de 5% a 10% de alta, segundo estimativa do Silems (Sindicato das Indústrias Laticínias de Mato Grosso do Sul) que fez levantamento com laticínios do Estado.

O litro do leite de saquinho passou de R$ 2,69 cobrados em março, no início da pandemia do novo coronavírus para R$ 3,19 em junho. Os derivados também tiveram aumento, chegando a 22,7%, como no caso da mussarela, de R$ 22 para R$ 27 o quilo.

“Com a pandemia tivemos queda muito grande na demanda por leite devido ao fechamento das escolas, que costumavam ser os grandes consumidoras por causa da merenda das crianças, e dos bares e restaurantes, que também consomem muitos derivados”, disse a presidente do Silems, Milene Nantes.

A pandemia também causou impacto nas importações, depois da expressiva alta do dólar frente ao real, reduzindo o ganho nas negociações. A disseminação do vírus no Brasil resultou, principalmente, no fechamento de fronteiras e suspensão dessa comercialização.

O retorno gradativo das atividades no varejo começou a surtir efeito, segundo Milena. “O consumo voltou a subir e a demanda pelo leite, que teve a produção reduzida, aumentou”, revelou.

De acordo com a empresária, o segmento ainda vive período de entressafra, o que faz com que a oferta do leite seja ainda menor. “Todos os anos, no período seca, é comum um aumento nos preços do leite, acontece todos os anos devido ao período de estiagem, em que a quantidade de chuvas é menor, reduzindo as pastagens, que servem de alimento para o gado”, diz Milena, explicando que isso impacta na produção.