Plantio da soja é concluído com mais da metade da safra comercializada

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

O plantio da soja foi concluído com mais de 55% da produção já comercializada. Os produtores rurais do Estado já começam a pensar na safra de milho 2020/2021. 

Apesar de a abertura da semeadura ter começado atrasada, segundo as estimativas da Associação dos Produtores de Soja e Milho de MS (Aprosoja-MS), o milho safrinha deve ser plantado na janela ideal.  

Conforme o boletim técnico publicado pela Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul), 100% da área foi semeada até o dia 27 de novembro.  

“A semeadura da soja 2020/2021 começou atrasada. A abertura do plantio foi marcada pela falta de chuva no Estado e produtores começaram a realizar a operação no dia 9 de outubro. Durante o período de plantio, tivemos pequenas estiagens e pouca concentração de chuva na região norte de MS. A semeadura foi encerrada superior em aproximadamente 5,10%, em relação à safra 2019/2020, totalizando oito semanas de plantio”, informou o presidente da Aprosoja-MS, André Dobashi.

A área plantada de soja continua estimada em 3,645 milhões de hectares, aumento de 7,55% na comparação com a safra 2019/2020, que foi de 3,389 milhões de hectares. 

A produtividade é estimada em 53 sacas por hectare, gerando a projeção de produção recorde com 11,591 milhões de toneladas – aumento de 2,35% ante os 11,325 milhões de toneladas na safra 2019/2020.

“Precisamos avaliar que o aumento de área não necessariamente representa aumento de produtividade, e isso faz com que a produção seja apenas uma estimativa neste momento. A soja está em seu período juvenil, iniciando seu período reprodutivo e, por isso, não se dá para afirmar que haverá uma supersafra. Os números ligados ao tamanho da área já indicam maior produção, mas ainda há muito a se desenvolver, para que se tenha uma supersafra concretizada”, explica Dobashi.

Conforme o boletim técnico, os produtores das regiões norte e nordeste do Estado relatam que nesta safra o clima está diferente na região. 

“A precipitação acumulada nos últimos três meses está abaixo da média e isso traz preocupação quando se tem o plantio para finalizar e a cultura para desenvolver”, detalha o documento.

Mais da metade da safra de soja, ainda em desenvolvimento, já foi comercializada. 

Levantamento realizado pela Granos Corretora aponta que até 7 de dezembro o Estado já havia comercializado 55,91% da safra 2020/2021, avanço de 8 pontos porcentuais quando comparado com o mesmo período de 2019.

SAFRINHA

No ciclo passado, o atraso no plantio da soja fez com que muitos produtores perdessem a janela ideal para semear o milho safrinha, a perspectiva para a 2ª safra 2020/2021 desenha outro cenário.  

Segundo as informações do Sistema de Informação Geográfica do Agronegócio (Siga-MS), a área plantada com milho em Mato Grosso do Sul foi de 1,895 milhão de hectares, redução de 12,79% quando comparada com a área da safra 2018/2019, que foi 2,173 milhões de hectares.  

Para a safra 2020/2021, Dobashi diz que é esperado que não haja problemas com a implantação da cultura de inverno.

 “Para não ter impacto, a soja tem de estar com ao menos de 60% da área implantada até o dia 6 de novembro. Como chegamos em 6 de novembro com 78,9% de área plantada de soja, superamos a porcentagem mínima de plantio para esta data. No período do dia 9 de outubro até 6 de novembro, foram plantados 2,876 milhões de hectares de soja, sendo esse total de área disponível para semeadura do milho 2ª safra, que supera todas as últimas áreas plantadas da 2ª safra no Estado”, considera e ainda complementa.  

“Com essa análise, o produtor terá uma janela disponível melhor para realizar o plantio, entretanto, o produtor deverá ter mais atenção no planejamento do plantio do milho 2ª safra, pois qualquer descuido pode fazer com que perca esta melhor janela”, ressalta Dobashi.

VALORIZAÇÃO

O preço médio da saca de soja com 60 kg no mês de dezembro ficou em R$ 147,71. Valorização de 83,63% no comparativo com dezembro do ano passado, quando a oleaginosa havia sido cotada, em média, a R$ 80,44.

De acordo com o boletim, o valor não significa que o produtor realizou ou esteja realizando negociações neste preço, “isso ocorre em decorrência da intensa exportação de soja brasileira e sul-mato-grossense no período, de forma que praticamente não existe soja a ser comercializada até a colheita da safra de soja 2020/2021 que ocorrerá apenas no fim de janeiro de 2021”, detalha a nota técnica.

EXPORTAÇÕES

Mato Grosso do Sul exportou 8 mil toneladas e US$ 2,9 milhões em novembro. Os números do mês elevaram o volume para 4,7 milhões de toneladas e receita a US$ 1,6 bilhão no acumulado de janeiro a novembro de 2020. 

O resultado representou alta de 47,88% na quantidade em relação ao mesmo período de 2019 e alta de 42,42% no faturamento.

As exportações brasileiras totalizaram 82,7 milhões de toneladas entre janeiro e novembro, número 17,22% superior ao igual período de 2019 e faturamento de US$ 28,4 bilhões.

A China foi o principal destino das exportações de soja em grãos de MS até novembro de 2020, respondendo por mais de US$ 1,3 bilhão, ou 96% do total. 

O volume total de exportações para o país asiático somou 3,9 milhões de toneladas.