PESQUISA DA EMBRAPA CONTRIBUI COM O TERRA BOA

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

embrapa-area_pastagem_ilp_porsilviaborges
O objetivo desses seminários é proporcionar debates sobre tecnologias de recuperação das pastagens em Mato Grosso do Sul. (Fotos: Sílvia Borges/Embrapa).

Mato Grosso do Sul possui 16 milhões de pastagens plantadas. Dessas, cerca de 8 milhões de pastagens estão em diferentes graus de degradação. “Esse valor é altamente significativo para a economia e o meio ambiente de Mato Grosso do Sul. Isso faz a produtividade da nossa pecuária ser baixa. A capacidade de suporte é extremamente baixa, 0,8 UA/ha [Unidade de Animal por hectare]. O rebanho bovino vem diminuindo, um dos motivos é devido a margem de lucro relativamente pequena. O Programa Terra Boa quer contribuir para começar a reverter esse cenário”, disse o secretário Fernando Mendes Lamas, da Secretaria de Estado de Produção e Agricultura Familiar do governo estadual de MS, lembrando que um dos benefícios é a isenção do ICMS.

Segundo o secretário, “o governo é o indutor. Mas quem faz, efetivamente, a mudança são os produtores rurais e os técnicos”, constatou. Sua fala foi na abertura do primeiro “Seminário Regional – Programa Terra Boa”, realizado em Dourados, no Sindicato Rural, na semana passada, 19 de outubro, para profissionais da Assistência Técnica e Extensão Rural. Também falaram na abertura Os seminários estão sendo realizados em dez regiões de Mato Grosso do Sul para atender toda a rede de assistência técnica do Estado. Os seminários são nos seguintes municípios: Dourados (19/10), Ponta Porã (20/10), Campo Grande (25/10), Jardim (27/10), Coxim (9/11), São Gabriel do Oeste (10/11), Naviraí (16/11), Nova Andradina (17/11), Três Lagoas (23/11) e Chapadão do Sul (24/11). A ação é uma parceria do governo do Estado com Embrapa Agropecuária Oeste, Embrapa Gado de Corte, Famasul, Banco do Brasil, Sindicatos Rurais, Associação de Agrônomos, Crea/MS, Aastec/MS.

michely_tomazi_por_silvia_zoche_borges
Pesquisadora Michely Tomazi

O objetivo desses seminários é proporcionar debates sobre tecnologias de recuperação. No primeiro seminário, a palestrante, pesquisadora Michely Tomazi, da Embrapa Agropecuária Oeste, destacou que a integração lavoura-pecuária (ILP) é uma das soluções para recuperar as pastagens e ainda ter a oportunidade de ganhar com a atividade lavoureira. “Não é só recuperar, mas saber manejar as pastagens”, apontou. Michely deu uma sugestão que despertou interesse: o pecuarista fazer uma parceria com o agricultor, aproveitando a experiência de cada um. Ela explicou que se o pecuarista, inicialmente, “emprestar” ao agricultor a área de pastagem que precisa ser recuperada, sem cobrar arrendamento, ainda assim terá lucro. A rotação dos grãos (soja no verão e milho no inverno) com a pastagem já fornece nutrientes e matéria orgânica para melhorar o pasto. “Os dois saem ganhando”, afirmou.

 

 

 

 

paulo_jacinto_fazenda_ventania_por_silvia_zoche_borges-1
Produtor Paulo Jacinto Batezini de Souza

O produtor Paulo Jacinto Batezini de Souza, da Fazenda Ventania, em Dourados, MS, falou sobre as dificuldades e os benefícios de se implantar a ILP, já que na fazenda o foco maior sempre foi na agricultura. “Apesar da implantação ser um pouco difícil no começo, o sistema se torna rotineiro e de fácil condução”, disse. Depois da implantação da ILP, ele conta que a capacidade de suporte da área melhorou. No verão, a lotação é de 5 a 7 UA/ha; no inverno, área de pasto fixo, 2,0 UA/ha; e os pastos de inverno que ficam de 3 a 5 meses na área, a lotação é de 3 UA/ha.

 

 

 

 

 

fernando_lamas_por_silvia_zoche_borges
Fernando Lamas, secretário de Estado de Produção e Agricultura Familiar.

Benefício ambiental

O chefe geral da Embrapa Agropecuária Oeste, Guilherme Asmus, destaca que os resultados da ILP em várias regiões de Mato Grosso do Sul, com diferentes tipos de solo e clima, apontam para a verticalização da produção pecuária com a recuperação das áreas degradadas e com a capacidade de suporte muito maior do que em média se alcança no Estado. “Em consequência, há não somente ganhos econômicos, técnicos, e agronômicos, mas fundamentalmente ambientais. Hoje esses ganhos ambientais ainda não são computados em renda para o produtor e para o Estado. Mas em um ambiente ideal, e é o que a gente imagina para o futuro, é que, além da verticalização da pecuária, com maior suporte e ganho de carne por hectare, haja também a possibilidade do produtor ser remunerado pelo benefício ambiental, que é o que conhecemos como serviço ambiental”, alerta.

Outra aspecto levantado por Asmus, é que a recuperação de pastagens leva a maior produção de carne em menor espaço de área, o que leva ao abate do gado em menor tempo. “Isso significa, antes de mais nada, uma menor emissão de gases de efeito estufa. Quanto menos tempo o boi fica no pasto, o acabamento é mais rápido, e as emissões de gases de efeito estufa são reduzidas. Além disso, as pastagens melhoradas conseguem reter carbono no seu sistema radicular, incorporar carbono através de matéria orgânica no solo, que é o sequestro de carbono”, explica o pesquisador e chefe geral da Embrapa Agropecuária Oeste.

Ele ainda lembra que, no caso da Embrapa Agropecuária Oeste (Dourados, MS), os experimentos mais antigos têm 21 anos e os resultados são consistentes para dar suporte a programas governamentais. Atualmente, a Unidade em Dourados possui experimentos com ILPF em Dourados, Naviraí, Três Lagoas e Ponta Porã.

 

Parcerias

Para o secretário de Produção, Fernando Lamas, as parcerias são essenciais para colocar em prática as ações do Programa Terra Boa, que foi lançado em 8 de março deste ano. “O Programa foi concebido pelo governo do Estado ter a convicção que temos em Mato Grosso do Sul tecnologia que sustenta o Terra Boa, que é voltado fundamentalmente para a recuperação de áreas degradadas. Temos parceria com Famasul, Embrapa, Banco do Brasil, Sindicatos Rurais, Associação de Agrônomos, Crea/MS, Aastec/MS”, relatou.

As pesquisas das Unidades da Embrapa em MS, segundo ele, possibilitaram a criação do Programa Terra Boa. “A Embrapa Agropecuária Oeste e a Gado de Corte geraram e têm gerado conhecimento que não deixam a menor dúvida que temos estratégias viáveis do ponto de vista econômico, social e ambiental para recuperar os 8 milhões de hectares de pastagens degradadas no Estado e, consequentemente, aumentar a produtividade da pecuária que é baixa, aumentar a produção de grãos, e mais do que isso, eliminar um passivo ambiental”, destacou Lamas, dizendo que o Programa tem como objetivo promover e incentivar a recuperação de 2 milhões de hectares de pastagens degradadas em cinco anos.

O chefe geral da Embrapa Agropecuária Oeste, Guilherme Asmus, que estava presente no lançamento da ação “Seminário Regional – Programa Terra Boa” diz que a Embrapa optou como um de seus temas prioritários a integração lavoura-pecuária “em que o sinergismo entre as duas é perfeitamente aplicável ao processo de recuperação de pastagens degradadas”. (Da Assessoria da Embrapa).