Mudança no FCO favorece projeto de avicultura e suinocultura

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

As propostas de alteração nas normas de contratação do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) aprovadas na quinta-feira (23) durante a 6ª reunião do Comitê Técnico do Conselho Deliberativo do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Condel/Sudeco) vão favorecer os projetos de expansão da avicultura, suinocultura e de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta em Mato Grosso do Sul.

De acordo com o secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico, Jaime Verruck, que integra o Comitê técnico do Condel, “as medidas que foram aprovadas dão respaldo para o avanço nos financiamentos dos projetos de integração avícola e também de suinocultura no Estado. No âmbito da avicultura, discutimos e aprovamos alterações que foram apresentadas pelo governador Reinaldo Azambuja. Foi uma vitória para a política de expansão do setor de aves em Mato Grosso do Sul”.

Alteração nas normas do FCO beneficia a avicultura no Estado envolve os projetos de aviários que se enquadram no Convir (convênio de integração rural entre o Banco do Brasil e empresas/cooperativas
Alteração nas normas do FCO beneficia a avicultura no Estado envolve os projetos de aviários que se enquadram no Convir (convênio de integração rural entre o Banco do Brasil e empresas/cooperativas

A alteração nas normas do FCO que beneficia a avicultura no Estado envolve os projetos de aviários que se enquadram no Convir (convênio de integração rural entre o Banco do Brasil e empresas/cooperativas integradoras das cadeias produtivas agropecuárias). Pela regra atual, o prazo de pagamento dos financiamentos é de seis anos. Com a mudança aprovada, esse período passa para 10 anos. “Temos vários projetos de integração avícola, paralisados. Se o prazo continuar em 6 anos, eles não se viabilizam. Essa alteração é fundamental para a continuidade do projeto de expansão da avicultura no Estado e também vai beneficiar a suinocultura”, lembra Jaime Verruck.

Outra mudança aprovada pelo comitê técnico do Condel envolve os projetos de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF). “Nesse caso, a nossa discussão foi para que, no que diz respeito aos itens de reflorestamento, o prazo de financiamento fosse igual ao do setor florestal, que é de 12 anos para pagamento, com a possibilidade de 3 anos de carência. A regra atual estava travando o uso do reflorestamento nos projetos de ILPF e agora equalizamos a norma. Essa mudança é fundamental para Mato Grosso do Sul, pois se encaixa com o programa Terra Boa e também para toda a lógica de sustentabilidade que estamos propondo para o Estado”, informou o secretário.

Outra proposição de destaque refere-se a alterações na assistência mínima global, com recursos do Fundo de Desenvolvimento do Centro-Oeste (FDCO), nos municípios classificados como de renda “dinâmica” ou “estagnada” pela Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR). A proposta é majorar a assistência do Fundo, para investimentos iguais ou superiores a R$ 20 milhões, quando a destinação for serviços hospitalares e ambulatoriais.

Todas essas mudanças foram aprovadas por unanimidade pelo Comitê Técnico do Condel e serão submetidas à votação na reunião de governadores do Conselho, que acontecerá no dia 6 de julho e contará com a presença do governador Reinaldo Azambuja. O encontro, que não acontece há oito anos, deverá contar ainda com a presença da Presidência da República, dos ministros da Fazenda, Planejamento, Integração, Turismo, Agricultura e diretoria do Banco do Brasil e Sudeco.