MS tem superávit de U$ 131 nas exportações

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

No primeiro mês do ano, Mato Grosso do Sul exportou U$ 301 milhões, e os principais responsáveis pelo superavit de U$ 131 milhões foram o açúcar e o milho, que apresentaram maior aumento nas exportações, se comparado com o mesmo período de 2019.

As informações são da Carta de Conjuntura do Setor Externo, divulgado pela Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro).

Ainda de acordo com o documento, representando 26,36% da balança comercial, a celulose se mantém como produto mais exportado no Estado.

“Apesar da queda de 56% no volume exportado em janeiro na comparação com 2020, o produto não sofre sazonalidade, ou seja, mantêm durante todo o ano o volume de envio ao mercado externo”, explica o secretário Jaime Verruck da Semagro.

O açúcar manteve seu crescimento em janeiro e passou a representar 10% da balança comercial de Mato Grosso do Sul, enquanto que o milho, produto sazonal, representou 19 % das exportações em janeiro.

“O resultado mostra o cenário econômico brasileiro um pouco conturbado o que impactou nas exportações, mas vemos uma participação maior de outros países além da China entre os compradores, o que é interessante para o Estado. Apesar das mudanças deste início de ano, nós acreditamos em um recorde de exportações de soja em 2021 e bons resultados com minério e celulose”, explica Verruck.

Ainda de acordo com os números da balança comercial de janeiro, a China é responsável pela maior demanda do Estado, mesmo com a maior participação de outros países. O país asiático importou, no primeiro mês do ano, o correspondente a 15,4% das exportações de Mato Grosso do Sul, seguido pelos Estados Unidos com 8,45%, Egito com 8,11% e Polônia com 5,34%.