MS fecha julho com superávit de US$ 1,4 bilhão na balança comercial

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
Milho representou 81% das exportações do Estado durante o mês de julho - (Foto: Divulgação)
Milho representou 81% das exportações do Estado durante o mês de julho – (Foto: Divulgação)

O superávit na balança comercial de Mato Grosso do Sul, no acumulado de janeiro a julho de 2016, chegou a US$ 1.415 bilhão, com destaque para as exportações de milho, que aumentaram 81% de janeiro a julho deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. Foram 1,3 milhão de toneladas exportadas nos sete primeiros meses de 2016 e 694 mil toneladas em igual período de 2015.

As informações estão na Carta de Conjuntura do Setor Externo divulgada na sexta-feira (5) pela Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico (Semade). Com relação ao resultado em julho de 2016, o superávit foi de US$ 185 milhões – inferior ao verificado em julho de 2015, de US$ 241 milhões.

“A desvalorização do dólar a partir de maio 2015 teve impacto positivo na pauta de exportações sul-mato-grossense, mas a valorização que vem ocorrendo nas ultimas semanas já reduziu as margens dos exportadores. Criando um cenário menos favorável no segundo semestre”, comentou o secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico, Jaime Verruck.

De acordo com o secretário, “a soja continua como principal produto exportado, seguido das exportação de celulose, mas o destaque nesse período de janeiro a julho foi a exportação de milho com 1,3 milhão de toneladas exportadas na semetre, 81% superior ao ano passado. O minério de ferro continua com tendência de estabilidade e a China representou 42% das exportações totais no semestre”. O segundo produto nas exportações do Estado ainda é a Celulose, mesmo com queda de 0,89% em relação a janeiro a julho de 2015. Em termos de volume, houve um crescimento 7,38% comparado a janeiro a julho de 2015.

 

Para os próximos meses, o titular da Semade já espera a influência dos Estados Unidos nas exportações de carne bovina de Mato Grosso do Sul. “A partir deste mês devemos exportar carne para EUA, com o acordo de equalização sanitário entre o Brasil e EUA. No Estado temos quatro plantas frigoríficas habilitadas para essa operação”, finalizou.