IAC estuda cana que pode ser usada tanto para ração como em usinas

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio do Programa Cana do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, está realizando levantamento sobre o uso da cana-de-açúcar forrageira multifunções (a IACSP93-3046) para melhorar a qualidade dos alimentos dos rebanhos de gado.

Com dupla aptidão, essa cultivar desenvolvida pelo Instituto pode ser adotada para alimentação animal e também para produção de etanol e açúcar, incluindo o mascavo, rapadura e cachaça, atendendo as necessidades dos pequenos, médios e grandes produtores.

Essa variedade vem sendo utilizada pelos produtores de gado, em substituição à IAC86-2480, a primeira variedade desenvolvida especificamente para a finalidade forrageira para alimentar o rebanho.

A nova cultivar apresenta 58% de digestibilidade, apenas dois pontos percentuais a menos que a variedade IAC86-2480. “A IACSP93-3046 apresenta um ótimo resultado em relação a digestibilidade in vitro da matéria seca e 51% de fibra em detergente neutro (FDN), frente aos 60% de digestão por parte do animal e 48% de FDN apresentados pela cultivar IAC86-2480. As duas apresentam teores de sacarose acima de 15%, o que é desejável e, portanto, apresentam relação ao teor de polarização do caldo (FDN/Pol) em torno de 3,4”, explicou o pesquisador da Secretaria, que atua no IAC, Ivan Antonio dos Anjos.

De acordo com o pesquisador, se considerar o melhoramento genético convencional, como o mantido pelo Programa Cana do IAC, o resultado da cana-de-açúcar forrageira multifunções é considerado um sucesso no processo de seleção, porque foi desenvolvido um material com características bromatológicas e agroindustriais que compreendem as várias necessidades do setor e atendem à pecuária e ao setor sucroenergético.

Essa cana com dupla aptidão pode ser colhida por um período longo, que vai da segunda quinzena de maio até outubro, quando há escassez de pasto para o gado “A cultivar tem período ótimo de colheita crescente, ou seja, à medida que o período de colheita se estende, a cana fica mais rica em sacarose e o teor de FDN é reduzido, favorecendo a digestão da fração fibrosa e, consequentemente, o maior consumo do volumoso”, esclarece o pesquisador da Secretaria de Agricultura.

Para o Secretário de Agricultura, Arnaldo Jardim, o produtor precisa buscar alternativas para alimentar o seu gado durante a entressafra, quando o pasto seca, e a cana forrageira é uma alternativa fundamental para manter a produtividade. “A cana tem alta produção por hectare, é uma cultura de fácil manejo e é acessível tanto ao pequeno quanto ao grande produtor, mostrando-se como a melhor opção para a alimentação do gado”, disse.

Para Arnaldo Jardim, a estimativa é que, após a consolidação dos resultados do questionário, seja realizado um estudo, com o objetivo de esclarecer dúvidas que surgirem aprofundando algumas questões. “A finalidade da pesquisa é levantar o máximo de informações possível, fazer um estudo socioeconômico da produção de cana-de-açúcar forrageira e criar um canal de comunicação entre os produtores interessados em utilizar a tecnologia, especialmente os canavicultores, para esclarecer suas dúvidas, como orienta o governador Geraldo Alckmin”, afirmou.

Interessados em cana forrageira, como produtor rural, técnico, alunos e professores, podem acessar o questionário e colaborar com o levantamento. O questionário pode ser preenchido clicando neste link, até julho de 2016, quando está prevista a análise de dados.

A pesquisa é realizada em parceria com a Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento de Jaú, da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta), e o Centro de Inovação, Empreendedorismo e Extensão Universitária (Unicetex), da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da Universidade de São Paulo (USP). (Da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo).