Governo pede alteração em prazos do FCO para garantir investimentos em avicultura

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

aviario-pequeno-672x372
Alteração é fundamental para atender projetos da Seara (perus e aves), da BR Foods e da Frangobelo, (Foto: Divulgação).

A Semade (Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico encaminhou à Sudeco (Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste) solicitação para que sejam alterados os prazos de financiamento estabelecidos no programa do FCO (Fundo Constitucional do Centro-Oeste) Rural 2016, inclusive os prazos de carência. O pedido, segundo o secretário Jaime Verruck, atende à reivindicação do setor aviário em Mato Grosso do Sul e é fundamental para garantir a expansão industrial prevista por esse segmento.

“Já conversamos com a Sudeco e o Ministério da Integração e obtivemos uma predisposição à alteração, mas precisamos que isso seja alterado imediatamente. Temos mais de 20 projetos de avicultura a ser contratados no banco e que já foram aprovados pelo CEIF (Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis pelo FCO), daí a urgência nessa mudança nos prazos”, informa Jaime Verruck.

De acordo com o titular da Semade, “Mato Grosso do Sul perdeu uma janela de oportunidades na avicultura brasileira e agora nós estamos tentando recuperar esse espaço com a atração de grandes empreendimentos na área da avicultura. O Estado já executou o seu papel atraindo projetos como os da Seara (perus e aves), da BR Foods e da Frangobelo, mas para que tudo isso seja consolidado, precisamos que o produtor rural tome os empréstimos e faça o investimento”.

Mudanças

A solicitação feita pela Semade à Sudeco envolve alguns trechos das regras de financiamento para investimentos semifixos.  Na norma vigente, as operações envolvendo “colheitadeiras, tratores e outros equipamentos motorizados e autopropelidos” têm prazo de 10 anos de financiamento, incluindo o período de carência de até três anos, observada a vida útil do bem financiado. A redação proposta por Mato Grosso do Sul é: “Maquinário: até 10 anos, incluindo o período de carência de até 03 anos, observada a vida útil do bem financiado”.

“Essa alteração é fundamental, pois os investimentos são de alta tecnologia e alto valor. A média do dark house – quatro galpões que dão um módulo de 15 por 160 – totaliza um investimento médio de R$ 4 milhões. Para o produtor fazer esse financiamento, o FCO estabeleceu, como diretriz para 2016, prioridades de investimento na avicultura para atender a essa expansão do setor industrial. No entanto, a norma que foi aprovada dificulta ao produtor tomar esse empréstimo, pois até então todo esse aviário tinha um prazo de doze anos de carência e dez anos para pagar”, informa o secretário Jaime Verruck.

O titular da Semade acrescenta ainda que, “com a norma atual, aquilo que não é fixo (semifixo) – entre 30% a 40% dos R$ 4 milhões – teria o prazo de somente 6 anos para pagar. Dessa forma, o produtor rural terá dificuldade de realizar o pagamento dentro da rentabilidade que o setor oferece. Em Mato Grosso do Sul, o CEIF (que é presidido pela Semade) já se reuniu e aprovou a solicitação de alteração desse prazo. Nós já articulamos com toda a região Centro-Oeste e há o entendimento de que isso é importante. Portanto, já temos um posição e acreditamos que nossa solicitação deve ser atendida”.