Expoagro: agronegócio mantém o Brasil de pé

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

expoagro-52-abertura-140516 (1)-abertura
Expoagro é uma das principais vitrines do agronegócio no Estado para levar tecnologia informação ao homem do campo. (Foto: Dênes de Azevedo).

Dênes de Azevedo

 

O tom principal dos discursos das autoridades na abertura oficial da ExpoAgro (Exposição Agropecuária e Industrial Internacional de Dourados) na manhã deste sábado foi o agronegócio e o impeachment.

No geral todos afirmaram que o agronegócio manteve e mantém o Brasil em pé, diante da grave crise econômica que teve início em meados do ano passado. E que levará cinco anos para ser sanada na opinião de Tereza Cristina Corrêa da Costa, deputada federal e vice-presidente da Frente Parlamentar do Agronegócio.

Para as autoridades e lideranças, o agronegócio paga o pato em todas as crises, dando suporte à economia. “Um dia o Brasil vai ser o primeiro do mundo, mas a agricultura do Brasil já é a primeira do mundo”, ressaltou o deputado estadual Renato Câmara.

Já para o presidente do Sindicato Rural de Dourados, Lúcio Damália, chegou a hora do agronegócio, que é uma indústria a céu aberto, deixar de pagar o pato e passar a ficar de joelhos só para agradecer a Deus.

Um outro assunto bastante lembrado foi a questão fundiária envolvendo os conflitos indígenas. “Tem que ir no ministro da Justiça; ou resolve o problema ou vai explodir mais pra frente”, disse o prefeito de Dourados, Murilo Zauith.

O potencial de Dourados não deixou de ser destacado. Nilton Picler, vice-presidente da Famasul disse o crescimento de Dourados faz com que as empresas apostem cada vez mais na cidade. “E vemos a economia prosperar”, disse. O deputado federal Geraldo Resende reconheceu o novo ambiente criado na gestão do prefeito Murilo em Dourados. “Estamos vivendo aqui momentos muito positivos”, disse e afirmou ainda que dirá ao presidente Michel Temer que se quiser acertar procure se espelhar em Dourados e em Mato Grosso do Sul.

A Expoagro começou na sexta-feira e segue até o dia 22. A expectativa é bater recorde em volume de negócios, ultrapassando os R$ 120 milhões. A feira conta com exposições de máquinas e equipamentos, leilões, julgamentos de raças, palestras, discussão de temas pertinente as mais diversas vertentes do setor, compartilhamento de tecnologia e shows e outros eventos.

 

Veja o que disseram as autoridades ao discursar na abertura da Expoagro:

 

expoagro-52-abertura-140516 (2)-lucio damalia
Lúcio Damália, presidente do Sindicato Rural de Dourados. (Foto: Dênes de Azevedo).

LÚCIO DAMÁLIA

Lúcio Damália, presidente do Sindicato Rural de Dourados, afirmou que o agronegócio é uma indústria a céu aberto e que espera que o novo presidente (em exercício) Michel Temer tenha olhos para o setor. “O produtor que já sofre com o clima não pode mais sofrer com insegurança e mais impostos”, disse.

Para o presidente, o produtor não pode mais levar a culpa por tudo e não pode ficar de joelhos para poder empreender, mas somente para agradecer a Deus.

“Estamos abrindo mais uma Expoagro, é uma das principais vitrines do agronegócio no Estado para levar tecnologia informação ao homem do campo”, afirmou. “É um evento também para integrar o homem do campo e da cidade”, acrescenta.

 

 

 

 

 

expoagro-52-abertura-140516 (12)-fernando lamas
Fernando Lamas, secretário de Estado da Produção e Agricultura Familiar. (Foto: Dênes de Azevedo).

 

 

FERNANDO LAMAS

Para Fernando Lamas, secretário de Estado da Produção e Agricultura Familiar, Mato Grosso do sul vive um momento extremamente interessante por ter um povo extremamente empreendedor e um Estado que é indutor do desenvolvimento.

Ele anunciou que na próxima sexta-feira, dia 20, o governador Reinaldo Azambuja lança na Expoagro, em Dourados, mais dois programas de apoio ao desenvolvimento rural, um na área da agricultura irrigada e outro de avicultura de corte. Segundo o secretário, junto com o programa de recuperação de áreas de pastagens degradas – que beneficiará de 6 a 8 milhões de hectares -, os dois novos programas ajudarão a dar um salto da produção agropecuária do Estado.

Lamas falou ainda do lado bom e ruim do Estado fazer divisa com cinco Estado e fronteira com dois países. Para ele, a localização estratégica tem contribuído para atrair vários investimentos. O lado ruim, na opinião dele, é que nos últimos 10 anos mais de 30 novas pragas entram no Estado pela fronteira. “O fundamental, tanto para atrair investimentos, como no caso dos problemas da fronteira, é a união dos produtores”, disse.

 

 

expoagro-52-abertura-140516 (11)-murilo zauith
Prefeito de Dourados, Murilo Zauith (PSB) . (Foto: Dênes de Azevedo).

MURILO ZAUITH

O prefeito de Dourados, Murilo Zauith (PSB) começou o discurso lembrando que participa das aberturas da Expoagro há 20 anos. Lembrou dos mandatos que teve na Assembleia Legislativa do Estado e Câmara Federal. Murilo também foi vice-governador.

Sobre Dourados lembrou do momento em que assumiu a Prefeitura, que “estava de ponta cabeça” há 5 anos e meio, e do apoio que recebeu. “Sabíamos o que tinha de fazer e aproveitamos todas as oportunidades que foram dadas”, afirmou. Reclamou da intervenção demasiada do Judiciário no Poder Executivo. “Isso tem que mudar; cada poder tem que ficar no seu lugar. Esse é o Brasil que temos de construir”, ressaltou.

Sobre a questão fundiária ele disse que é um problema que precisa ser resolvido. “Tem que ir no ministro da Justiça, ou resolve ou vai explodir mais pra frente”, disse. Nesse sentido ele destacou a ação do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que sem eu governo deu início ao processo de reforma agrária no Brasil.

 

 

 

 

 

expoagro-52-abertura-140516 (9)-tereza cristina
Tereza Cristina Corrêa da Costa, deputada federal pelo PSB. (Foto: Dênes de Azevedo).

TEREZA CRISTINA

Tereza Cristina Corrêa da Costa, deputada federal pelo PSB e também vice-presidente da Frente Parlamentar do Agronegócio, começou o discurso dizendo que não está chateada por não haver mulheres na equipe do presidente Temer. “Vai ter a hora, primeiro vamos resolver os problemas”. Sobre o processo de impeachment disse que “o Brasil não aguentava mais”.

Para ela, os brasileiros precisam continuar mobilizados porque Temer “está encontrando uma terra arrasada” com mais de R$ 100 bilhões de dívidas e todos os programas paralisados. No caso do ministério formado com ministros cujos nomes estão na ‘Operação Lava-Jato’ ela acha que o principal critério do atual presidente foi as alianças para garantir “medidas amargas” necessárias para superar a crise a qual Tereza acha que dura cinco anos.

Falou da questão indígena e disse que Dilma Rousseff, assinou por vingança decretos de estudos antropológicos que envolvem 33 mil hectares de terra em Aquidauana e 55 mil no sul do Estado. “Caarapó vai quase toda”, disse ao prefeito Mário Valério.

Garantiu que não votará a favor do aumento de impostos. Para ela, o Estado não precisa arrecada mais, mas sim voltar ao tamanho necessário e citou os casos de ONGS internacionais e instituições sociais que levam milhões do poder público que só beneficiam seus lideres. “Precisamos trazer mais recursos para as bases e acabar com o pagamento de juros, que hoje chegam a R$ 720 bilhões por ano”, ressaltou.

 

 

expoagro-52-abertura-140516 (10)-geraldo resende
Geraldo Resende, deputado federal pelo PMDB. (Foto: Dênes de Azevedo).

GERALDO RESENDE

Geraldo Resende, deputado federal pelo PMDB, firmou que é preciso dar todas as contribuições para que o Governo Michel Temer dê certo, para garantir segurança e justiça para todos. Elogiou a escolha do empresário e senador Blairo Maggi para ministro da Agricultura, Pecuária a Abastecimento. “Vai construir uma equipe balizada em questões técnicas e não ideológicas”.

O deputado reconheceu o novo ambiente criado na gestão do prefeito Murilo em Dourados. “Estão vindo investimentos da JBS, BRF, Coamo, os hipermercados, um deles já em construção [Assaí Atacadista]. Estamos vivendo aqui momentos muito positivos. Vou dizer a Michel que se quiser acertar procure se espelhar em Dourados e em Mato Grosso do Sul para superar a crise e construir o Brasil que queremos”, disse Geraldo.

 

 

 

 

 

 

 

expoagro-52-abertura-140516 (6)-idenor machado
Idenor Machado (DEM), presidente da Câmara Municipal de Dourados. (Foto: Dênes de Azevedo).

IDENOR MACHADO

Idenor Machado (DEM), presidente da Câmara Municipal de Dourados, destacou a organização do produtor e pediu que o novo presidente de um rumo ao país. “Porque o produtor rural está de pé”, afirmou. Nesse mesmo sentido destacou a parceria da Câmara no apoio às ações do prefeito de Dourados, Murilo Zauith, “que tem mantido a cidade de Dourados em pé, no seu rumo e organizada”. Falou ainda do apoio a Câmara ao produtor, citando o caso recente da aprovação de uma lei que vai incentivar a piscicultura no município.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

expoagro-52-abertura-140516 (7)-renato camara
Renato Câmara, deputado estadual pelo PMDB. (Foto: Dênes de Azevedo).

RENATO CÂMARA

Renato Câmara, deputado estadual pelo PMDB, disse que o produtor rural é sempre lembrado na crise porque o alicerce do país é o agronegócio. “Um dia o Brasil vai ser o primeiro do mundo, mas a agricultura do Brasil já é a primeira do mundo”, ressaltou. Para o deputado agora é a hora das pessoas entrarem na política, de participar, para tirar o Brasil da teoria e passar para a prática. Ao contrário, segundo Câmara, não é momento de acomodar, mas de pegar as boas ideias e botar em ação. “Não adianta boa semente no celeiro. Vamos pular para dentro. O Brasil é maior que todas as crises”, disse.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

expoagro-52-abertura-140516 (8)-ze teixeira
Deputado estadual Zé Teixeira , do DEM. (Foto: Dênes de Azevedo).

ZÉ TEIXEIRA

O deputado estadual Zé Teixeira (DEM) também discursou na linha da participação política e discussão do sistema político do Brasil. Para ele, não se toca um país com tantos partidos políticos e tanta barganha. “Vamos continuar trabalhando e acreditar que o Brasil nesse silêncio, com presidente Temer, o Meireles (ministro da Fazenda) se torne um país onde a lei seja igual para todos”, disse. Ressaltou também que o impeachment foi necessário “por coisas mal feitas” e que agora há uma expectativa de melhora.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

expoagro-52-abertura-140516 (3)-antonio nogueira
Antônio Nogueira, presidente da Aced. (Foto: Dênes de Azevedo).

ANTÔNIO NOGUEIRA

Antônio Nogueira, presidente da Aced (associação Comercial e Empresarial de Dourados) destacou que o agronegócio é o sustentáculo do Brasil inteiro. “Fortalece o comércio e a industrial”, disse. “E vamos continuar a luta para manter esse setor em crescimento”, afirmou.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

expoagro-52-abertura-140516 (4)-christiano bortolotto
Christiano Bortolotto, presidente da Aprosoja. (Foto: Dênes de Azevedo).

CRISTIANO BORTOLOTTO

Christiano Bortolotto, presidente da Aprosoja (Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul), lamentou a crise moral no país e as invasões de propriedades e afirmou que a agricultura mostra durante todas as crises que cria. “Com a pujança do produtor rural, emprega, cria, suporta as dificuldades em toda a crise. E que esta crise não seja mais uma vez em detrimento do produtor”, ressaltou.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

expoagro-52-abertura-140516 (5)-nilton picler
Nilton Picler, vice-presidente da Famasul . (Foto: Dênes de Azevedo).

NILTON PICLER

Nilton Picler, vice-presidente da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de MS), falou do potencial econômico de Dourados no agronegócio. Segundo ele, o Departamento Econômico da Famasul apontou que em 10 anos a produção de grãos aumentou 200% em Dourados, que o município tem 150 mil cabeças de gado e que é o segundo maior suínos do Estado, com destaque também na produção de leite e mel.

O diretor da Famasul disse que o potencial do agronegócio de Dourados faz com que as empresas apostem cada vez mais na cidade. “E vemos a economia prosperar”, disse. “Muitos negócios serão fechados e muita pesquisa será compartilhada nesta exposição”, acrescentou. Informou também que no ano passado 3 mil pessoas foram capacitadas pelos cursos na Famasul em Dourados.