Estado estima abertura de 300 mil hectares de soja

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

agro

Com oferta de 6% a mais de recursos em relação ao ano passado, o Plano Safra deve representar o incremento de 200 a 300 mil hectares de soja em Mato Grosso do Sul na próximo plantio de verão. Nesta safra foram quase 3,2 milhões de hectatres cultivados.

A expectativa é do secretário de Produção do Estado, Jaime Verruck que avalia que Plano Safra traz excelentes notícias para Mato Grosso do Sul. “O agronegócio manteve a atividade econômica neste momento de crise e o Plano vai contribuir para que o setor contribua ativamente na retomada da economia, crescimento do PIB e safra recorde”, afirmou o titular da Semagro.

No Estado, o Plano somente será lançado e o valor de recursos disponibilizado no dia 1º de julho. No ano passado, MS recebeu R$ 8,2 bilhões.

Lançado quarta-feira pelo Governo Federal, o Plano Safra 2020/2021 atende a demandas do agronegócio, com redução da taxa de juros e ampliação dos recursos disponibilizados, somando R$ 236,3 bilhões. O Plano Safra 2020/2021 está disponível para contratação a partir de 1º de julho de 2020.

Um dos pontos mais positivos segundo Verruck, foi a expansão em 6% dos recursos, que ganhou incremento de R$ 13,5 bilhões, saindo dos R$ 222,74 bilhões em 2019/20. São 5,7% a mais no Pronaf que passa a ter R$ 33 bilhões e aumento de 25% nos recursos do Pronamp, atualmente com R$ 33,20 bilhões. Demais produtores e cooperativas terão R$ 170 bilhões.

“Nós, os secretários de agricultura e pecuária do País, tivemos uma reunião importante com a ministra Tereza Cristina sobre a necessidade de redução da taxa de juros e recebemos boas notícias com o Plano Safra, que é aguardado todo ano porque sinaliza para o sistema de crédito do agronegócio brasileiro como será a próxima safra”, explica o secretário Jaime Verruck.

Dessa forma, houve queda na taxa de juros de todos os segmentos. Nas linhas de custeio, o Pronaf caiu de 3% e 4,6% para 2,75% e 4% ao ano. No Pronamp o juros caiu de 6% para 5% e para os demais produtores a taxa que era e 8% ao ano, agora é de 6% ao ano. Nas linhas de investimento também houve queda na taxa de juros.