Escoar soja de MS via Paranaguá reduz preço do frete em 27%

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

A diferença entre Ponta Porã e o Porto de Santos é de 1.202 quilômetros, já a distância entre o município sul-mato-grossense e o porto de Paranaguá é de 1.089 quilômetros. Os números mostram que levar a soja pontaporanense ao mercado externo via Paraná resulta em uma viagem de 130 quilômetros mais curta do que indo por São Paulo, entretanto, a redução no preço do frete é de 27% para quem optar embarcar pela região Sul do País.

Já em Dourados, a diferença é de 15,5%, considerando R$ 170/ton via Santos e R$ 147,2/ton via Paranaguá
Já em Dourados, a diferença é de 15,5%, considerando R$ 170/ton via Santos e R$ 147,2/ton via Paranaguá

Os dados apresentados no último Informativo Casa Rural, divulgado pelo Departamento de Economia do Sistema Famasul – Federação da Agricultura e Pecuária de MS, reforçam a importância do porto paranaense para agricultura sul-mato-grossense, sendo responsável por aproximadamente 45% das vendas negociadas internacionalmente pelo Estado.

De acordo com os dados da Secex – Secretaria de Comércio Exterior, foram enviadas por Paranaguá entre janeiro e fevereiro deste ano 62,3 mil toneladas das  144,4 mil toneladas registradas ao  todo, no período analisado. Para o analista econômico do Sistema Famasul, Luiz Gama, além da distância, outros fatores contribuem para que o porto paranaense esteja no topo nos embarques de soja. “Paranaguá já é tradicionalmente o mais usado para exportar commodities agrícolas e as rodovias têm uma melhor estrutura logística”.

O que beneficiou o fluxo das exportações via Paranaguá na avaliação do gestor do Departamento Técnico do Sistema Famasul, Justino Mendes, foi a construção de portos secos e o agendamento dos embarques do porto de Paranaguá. “A melhor estrutura resulta nesta economia. Recentemente, o porto fez um arranjo logístico, onde foram instalados portos secos em Cascavel, Maringá e Londrina. Essa ação diminuiu a fila de espera dos caminhões”.   O porto seco é uma estrutura criada para armazenamento e transporte via ferrovia até o terminal portuário.

Em Ponta Porã, o segundo maior produtor de soja de Mato Grosso do Sul, a diferença no valor do frete foi a maior entre as praças estudadas pela instituição em relação aos dois portos. Para embarcar uma tonelada via Paranaguá, o gasto é de R$ 150, valor 40 reais a menos que o patamar contabilizado no posto paulista.

Já em Dourados, a diferença é de 15,5%, considerando R$ 170/ton via Santos e R$ 147,2/ton via Paranaguá. Se a soja é vendida por sojicultores de Maracaju, a distância de preços é de 14,8%, tomando em conta que o frete via Paranaguá é de R$ 156,85/ton, enquanto que via Santos é de R$ 180/ton.

O Estado ocupa a 6ª posição no ranking nacional das exportações, com a receita das vendas totalizando US$ 52 milhões no primeiro bimestre deste ano. A China importou 82% da soja exportada pelo Estado, o que corresponde a  117 mil toneladas.

Mercado interno

A soja foi vendida a uma média de R$ 61 a saca na primeira semana de março, com queda de 2,1% ao início da semana. “Esta redução está associada ao período da colheita, que acaba levando a uma maior disponibilidade do grão”, salienta o analista econômico do Sistema Famasul, Luiz Gama. Acesse: http://zip.net/bcs1vv e leia o Informativo na íntegra.