Embrapa recomenda: Plantio de soja em sucessão ao sorgo-sacarino exige atenção

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

sorgo_agencia_de_noticias_embrapa
Parte aérea e o sistema radicular da soja são prejudicados, o que pode resultar em diminuição do potencial produtivo. (Foto: Agência Embrapa).

Pesquisa realizada pela Embrapa Agropecuária Oeste (Dourados/MS) conclui que a semeadura da soja com um intervalo de uma semana após o manejo do sorgo sacarino já seria suficiente para amenizar possíveis efeitos negativos na soja. O plantio de soja imediatamente após o manejo do sorgo sacarino pode prejudicar o desenvolvimento da leguminosa”, explica o pesquisador Rodrigo Arroyo Garcia.

Os estudos comprovaram que os resíduos do sorgo-sacarino – devido à liberação de substâncias alelopáticas –  influenciam no desenvolvimento da soja em sucessão, caso esse intervalo sugerido não seja respeitado. Segundo o pesquisador, a parte aérea e o sistema radicular da soja são prejudicados, o que pode resultar em diminuição do potencial produtivo.

Essas influências negativas do sorgo sacarino são produzidas por substâncias alelopáticas, ou seja, um processo natural da cultura, que envolve a liberação de metabólitos produzidos pela planta, que influenciam o crescimento e desenvolvimento de cultivos posteriores. O termo alelopatia foi criado pelo pesquisador austríaco Hans Molisch, em 1937, e deriva da união das palavras gregas allélon (de um para outro) e pathos (sofrer). O conceito descreve a influência de um indivíduo sobre o outro, no caso uma planta sobre a outra planta, seja prejudicando ou favorecendo a segunda, e sugere que o efeito é realizado por biomoléculas (denominadas aleloquímicos) produzidas por uma planta e liberadas no ambiente.

“Nesse caso, observamos que o sorgoleone, presente nos resíduos do sorgo sacarino, principalmente nas raízes, é o responsável pelo efeito desfavorável na cultura sucessora”, explica Arroyo. Ele salienta que o experimento foi conduzido em casa de vegetação e os resultados foram muito consistentes. Portanto, mesmo que em condições de campo os efeitos sejam atenuados, o crescimento da soja pode ser prejudicado.

Maiores detalhes sobre a pesquisa podem ser obtidos por meio da leitura do Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, nº 74 , intitulado “Alelopatia do Sorgo-Sacarino na Soja Cultivada em Sucessão”. Clique http://bit.ly/2m2xrBD e confira.