Embrapa entrega mudas de cultivares novas de capim elefante para produtores de MS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

campim-elefante_entrega_mudas_por_Christiane_Comas (40)
Entrega de mudas de capim elefante na Embrapa, em Dourados. (Foto: Christiane_Comas).

Os produtores de gado leiteiro de MS contam com duas novas cultivares de capim-elefante da Embrapa,a BRS Kurumi e BRS Capiaçu. A entrega das mudas foi realizada na manhã de sexta-feira, dia 3, na sede da Embrapa Agropecuária Oeste, em Dourados. Participaram da solenidade de entrega simbólica das mudas cerca de 50 pessoas, entre produtores rurais e profissionais da assistência técnica rural, além de outros representantes do setor público agrícola.

A cultivar de capim-elefante anão BRS Kurumi, voltada para o pastoreio direto, se caracteriza por apresentar alto potencial de produção de forragem com excelentes características nutricionais, o que possibilita ao produtor de leite intensificar a produção animal com menor uso de concentrado.

Já, a BRS Capiaçu possui porte alto, que pode ultrapassar os cinco metros de altura, com alta produção de biomassa e destinada à silagem e picada no cocho. Ambas podem ser utilizadas no período da seca.

“A entrega simbólica dessa nova tecnologia da Embrapa voltada para o gado leiteiro representa um marco na produção leiteira do Estado”, disse o Chefe Geral da Embrapa Agropecuária Oeste, Guilherme Lafourcade Asmus. Ele enfatizou a importância das parcerias para viabilizar essa ação, enfatizando o papel da Embrapa Gado de Leite (Juiz de Fora/MG), responsável pelas pesquisas de melhoramento genético que deram origem as cultivares. Ele também agradeceu a parceria com a Agraer, Secretaria Especial do Desenvolvimento Agrário e da Agricultura Familiar (Sead) e Prefeitura Municipal de Dourados, por meio da Secretário de Agricultura e Economia Solidária (Semafes).

“Esses materiais poderão contribuir para solucionar os problemas enfrentados pelos produtores em relação à alimentação do rebanho leiteiro estadual, especialmente durante a estação das secas”, disse o Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia da Embrapa Agropecuária Oeste, Auro Akio Otsubo. Ele explica que as pesquisas desenvolvidas pela Embrapa demonstraram que o capim elefante pode produzir cerca de 50 toneladas de matéria seca por hectare/ano, uma média de 30% a mais do que as demais cultivares disponíveis”.

O diretor técnico da Agraer, Araquem Ibrahim Midom, destacou que o aumento da produção de leite no Estado é uma das principais metas da Agraer e para isso é preciso o uso de tecnologias viáveis e com o custo acessível para o produtor. “A Embrapa trouxe essas novas variedades de pastagens que vão contribuir para aumentar a produção de leite no Estado. Isso é importante, pois hoje contamos com cerca de 3 mil produtores de leite em MS, por meio do Programa Leite Forte e que serão diretamente beneficiados com essa ação. Estamos trabalhando para que dentro de aproximadamente dois anos a capacidade produtiva do rebanho leiteiro estadual esteja duplicada”, disse Araquem.

O produtor rural de Ivinhema, Ivanor Junglos, disse que as novas variedades de capim despertaram o interesse dele, pois parecem ser muito produtivas. “Com essas novas cultivares, espero produzir o dobro. Gostei muito do que ouvi e vi no campo”, disse ele.

Outro produtor rural de Ivinhema, Cássio Rogério Giordano, esteve presente no evento e levou suas mudas também. Ele cria vacas jersey e alimenta os animais com silagem de milho. “O custo com a silagem de milho é bem elevado e acredito que com esses novos capins poderemos reduzir as despesas e aumentar a produção”, disse Cássio.

A produtora de Dourados, Adriana de Oliveira Osório, que sempre trabalhou com gado de leite ficou satisfeita com o que viu no campo. A produção diária de leite da fazenda é de aproximadamente 100 litros por dia. “Fiquei animada com o vi e gostei de conhecer essa nova alternativa para alimentação dos animais”, disse ela que levou suas mudas para plantar e multiplicar.

Participaram das atividades as seguintes lideranças: o Secretário Municipal da Semafes, Landmark Ferreira Rios; delegado federal da Sead/MS, Dorival Betini e o gestor da Embrapa Produtos e Mercados, Escritório de Negócios de Dourados, Huberto Paschoalik. Além das atividades realizadas na vitrine tecnológica da Embrapa Agropecuária Oeste, os participantes conheceram muitos detalhes das novas variedades por meio de palestras e explicações fornecidas pelo pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste, Claudio Lazzarotto.

Os produtores rurais de MS interessados em obter mudas dessas variedades podem procurar o Setor de Transferência de Tecnologia da Embrapa Agropecuária Oeste. Maiores informações pelo e-mail: marciana.retore@embrapa.br ou 3416-9701.

 

Como foi desenvolvida

A BRS Capiaçu foi obtida por meio do Programa de melhoramento genético de capim-elefante da Embrapa. A cultivar é o resultado do cruzamento de variedades pertencentes ao Banco Ativo de Germoplasma de Capim-Elefante (BAGCE), mantido pela Embrapa. O Programa foi criado em 1991. A primeira cultivar desenvolvida foi a Pioneiro, lançada em 1996. Em 2012, lançou-se a BRS Kurumi, que, por apresentar porte baixo, muito adaptada ao pastejo rotacionado. (Christiane Congro Comas, da assessoria da Embrapa Agropecuária Oeste).