Embrapa mostra pesquisa com cana-de-açúcar na região Norte

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

A Embrapa Agropecuária Oeste realizou o Seminário “Resultados de pesquisa  da Embrapa para a região norte de Mato Grosso do Sul na cultura da cana-de-açúcar”, em Chapadão do Sul, na IACO. O evento, parceria entre Embrapa Agropecuária Oeste e Biosul, foi em 22 de março para técnicos de usinas da região, consultores e técnicos de empresas de insumo.

resultados em sistemas de renovação de canaviais, apresentados por pesquisadores da Embrapa Agropecuária Oeste, são referentes a estudos realizados em experimentos em áreas da Usina Sonora
resultados em sistemas de renovação de canaviais, apresentados por pesquisadores da Embrapa Agropecuária Oeste, são referentes a estudos realizados em experimentos em áreas da Usina Sonora

Além disso foi realizado levantamento e priorização de demandas da região norte e do Bolsão de MS por Márcio Ito da equipe de  implementação da programação e  por Walmor Saldanha, de prospecção e avaliação, ambos da transferência de tecnologia da Embrapa Agropecuária Oeste.

Os resultados em sistemas de renovação de canaviais, apresentados por pesquisadores da Embrapa Agropecuária Oeste, são referentes a estudos realizados em experimentos em áreas da Usina Sonora, em Sonora, MS, no período de 2010 a 2014. E envolveram as culturas da soja, girassol, sorgo sacarino e adubação verde em áreas de rotação de plantio da cana. As culturas entram no sistema de produção durante a janela de renovação de canaviais de outubro/novembro até março/abril.

O pesquisador Cesar José da Silva, que conduziu os experimentos em Sonora, apresentou as informações de produtividade e manejo fitotécnico. Em seguida, o pesquisador Carlos Hissao Kurihara falou sobre os aspectos da produtividade da fertilidade do solo. O pesquisador Walder Albuquerque Nunes relatou os parâmetros de física do solo. E os  aspectos ambientais foram explicados pela pesquisadora Michely Tomazi. O diretor da Biosul, Isaias Bernardini, e Erico Paredes, assessor técnico da Biosul, também apresentaram informações sobre resultados da safra de fevereiro no Estado.

A renovação de canaviais são realizadas nos dois polos de produção de cana em Mato Grosso do Sul: a região norte (Costa Rica, Chapadão do Sul e Sonora), e a centro-sul (Dourados, Rio Brilhante, Angélica, Ivinhema e Maracaju). Mas existem diferenças entre as duas regiões. A região norte do Estado, em relação ao centro-sul, possui altitude maiores, possui precipitação de chuva anual com período de seca bem mais definido de abril a setembro e temperaturas mais elevadas e com menor incidência de geadas. “Por isso, a avaliação das variedades das culturas para a renovação e do sistema de produção deve ser realizada de forma diferenciada. Muitos resultados de experimentos no sul do Estado não são aplicáveis no norte”, diz o pesquisador Cesar José da Silva.

O resultado as pesquisas que mais chama a atenção é que o pousio não é opção. A utilização de uma das culturas é sempre mais vantajoso, levando-se em consideração as características de cada uma delas em relação à época de semeadura, clima, solo, regime hídrico da região. “O pousio reduz a produtividade de colmos da cana. E ao longo do ciclo essa redução aumenta”, explica Silva.

Estes resultados de pesquisa foram realizados em sistema convencional. Em sistemas conservacionistas, como o sistema plantio direto, as vantagens aumentam. O custo de preparo da renovação de canaviais é menor, o consumo de combustíveis fósseis e das emissões de gases de efeito estufa diminuem.