EM 30 ANOS, PANTANAL PERDEU 11% DA VEGETAÇÃO NATIVA

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
Bioma perdeu 849.897,12 hectares de sua vegetação nativa em 32 anos
Bioma perdeu 849.897,12 hectares de sua vegetação nativa em 32 anos

O desmatamento consumiu 11% das áreas de florestas naturais do Pantanal no Brasil, entre 1985 e 2017. Caracterizado por ser uma das maiores extensões úmidas contínuas do planeta, o bioma perdeu 849.897,12 hectares de sua vegetação nativa em 32 anos.

A área desmatada é maior que o território de Campo Grande, de 809.295,1 hectares.

O Pantanal tinha 7.723.096,56 hectares cobertos por florestas em 1985, reduzidos a 6.873.199,45 hectares até 2017.

As informações são do MapBiomas, iniciativa multi-institucional que reúne universidades, ONGs e empresas de tecnologia e pesquisa o mapeamento anual da cobertura e uso da terra de todo o país. O Instituto SOS Pantanal e a WWF Brasil são algumas das entidades ligadas ao projeto.

Localizado no centro da América do Sul, na bacia hidrográfica do Alto Paraguai, o Pantanal tem 65% de seu território em Mato Grosso do Sul e 35% no vizinho Mato Grosso. A área ainda se espalha por Argentina, Bolívia e Paraguai.

O monitoramento proposto pelo MapBiomas também mostra que o corpo d’água do bioma perdeu 39,4% de seu volume. Responsável por 705.055,22 hectares do Pantanal em 1985, rios e lagos agora respondem por apenas 427.301,67 hectares.

O rio Paraguai e seus afluentes, como São Lourenço, Miranda, Taquari e Aquidauana, percorrem o Pantanal e formam extensas áreas inundadas, que servem de abrigo para peixes e também outros animais, como jacarés, capivaras e ariranhas.

O assoreamento do Rio Taquari é um dos principais problemas ambientais no Pantanal. O rio perdeu seu curso natural devido ao assoreamento do leito. Sua recuperação é tema central do debate sobre conservação ambiental no Estado.

AGROPECUÁRIA

Por sua vez, o uso da terra no Pantanal para o desenvolvimento da agropecuária saltou 171% em três décadas – de 769.354,35 hectares em 1985 para 2.085.319,63 em 2017.

As áreas de pastagem, que há 32 anos respondiam por 768.632,41 hectares, agora representam 2.056.326,16 hectares desta porção do Pantanal.

A maior parte dos solos do Pantanal é arenosa e suporta pastagens nativas, que servem de alimento para herbívoros da região e para o gado bovino.

Segundo Pesquisa Pecuária Municipal divulgada em setembro de 2018 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Corumbá tem o maior rebanho bovino de Mato Grosso do Sul e segundo maior do País, com 1,88 milhão de cabeças.

Outros municípios pantaneiros também contam com rebanhos volumosos, como Aquidauana, com 800,8 mil animais, e Porto Murtinho, com 691 mil cabeças.

BRASIL

A evolução da cobertura e uso da terra aponta para uma perda de 11,6% da vegetação nativa em todo o País, proporção quase idêntica ao desmatamento identificado no Pantanal. De 653 milhões de hectares em 1985, florestas e formações naturais não florestais no Brasil foram diminuídas para 577 milhões de hectares até 2017.