Desafio da produtividade é lançado em Dourados

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Engenheiro agrônomo Henri Sako, representando a Cesb (Comitê Estratégico Soja Brasil) trouxe um desafio: a máxima produtividade (Foto:Divulgação)
Engenheiro agrônomo Henri Sako, representando a Cesb (Comitê Estratégico Soja Brasil) trouxe um desafio: a máxima produtividade (Foto:Divulgação)

De Sorocaba (SP), o engenheiro agronomo Henri Sako, representando a Cesb (Comitê Estratégico Soja Brasil) trouxe um desafio: a máxima produtividade. Em sua palestra na manhã de segunda-feira (16) no auditório do Sindicato Rural, ele explicou como o perfil de solo contribui na alta produtividade da soja.

Segundo ele, é possível alcançar altas produtividades acima de 90 sacas/ha. Para alcançar este patamar, é necessário fazer a fertilização do solo abaixo de 40 centimetros com até 1 metro de profundidade. “É importante para a expressão da produtividade”, conta. O agronomo considerou que somente fazer isso não garantirá a alta produtividade. O resultado final é um conjunto de práticas: é necessário acertar a cultivar, semear o solo, uma boa qualidade da semente, acertar o balanço nutricional da planta por meio da adubação, entre outros cuidados no manejo.

Com as práticas de calagem (aplicação do calcário), solo fofo (para que o corretivo consiga pergolar no solo) e materia organica (rotação /braquiaria) com o tempo se corrige o solo. No entanto, há caminhos via mecânica para encurtar. “O que levaria 30 anos no processo natural, pode se alcançar em apenas uma safra com o equipamento adequado”. Para ele, a aquisição de máquinas de ultima tecnologia éum investimento que vale a pena, pois garante um aumento significativo. “Em São Paulo, áreas de 50 sacas/ha foram para 70 ou 80 sacas/ha com a aplicação desta prática”, comemora.

Henri explica que o Sesb é uma ONG com 16 membros voluntários que desafia o setor. Ela trabalha em conjunto com instituições de pesquisa, como a Embrapa, Fundação MS e Fundação MT para estimular o produtor a aumentar a produtividade. “Na agricultura, tem anos dificeis, mas podemos ir além das atividades com ações direcionadas. Estamos dispostos a contribuir com as novas gerações da produção rural do país”, afirma.