CORREDOR BIOCEÂNICO VAI REDUZIR CUSTOS EM 71%

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

corredor

O ministro de carreira diplomática do Ministério das Relações Exteriores, João Carlos Parkinson de Castro, disse que o uso do corredor biocêanico pode trazer redução de custos de até 71% em logística. Ele explica que essa redução é referente a uma carga de trigo saindo da localidade de Tucuna até Campo Grande.

Castro destacou que a agenda de estudos do grupo se diversificou em relação ao início, 2015 e estão sendo feito agora estudos niveladores através da análise de custos logísticos. Entre outros pontos já identificados, está a necessidade de auxiliar na elaboração do plano diretor de Porto Murtinho. Também serão objeto de estudo a abertura do porto seco de Campo Grande, como esse terminal impacta o cone sul e qual será o efeito dele na logística.

A abertura oficial contou com as presenças do governador Reinaldo Azambuja, do coordenador Nacional do GT pelo Brasil, ministro João Carlos Parkinson de Castro; do coordenador do GT pela Argentina, Patrício Perciavalle; do coordenador do GT pelo Chile, embaixador Roberto Ruiz Piraces e da coordenadora do GT pelo Paraguai, embaixadora Glória Irma Amarilla.

Amanhã (22), a VIII Reunião do Grupo de Trabalho do Corredor Rodoviário Bioceânico receberá o ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, para participar da mesa de encerramento do evento, que está programada para as 11h50.