Contratação de recursos do FCO soma R$ 146 milhões no bimestre em MS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

fcoNo primeiro bimestre, Mato Grosso do Sul contratou R$ 146 milhões em recursos do FCO (Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste). Além destes valores, mais R$ 1 bilhão já está internalizado e em processo de contratação em projetos. Os números foram apresentados hoje (10) na reunião do CEIF/FCO (Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis pelo FCO) realizada na Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar).

O FCO Rural lidera as contratações, com R$ 102 milhões por meio de 191 contratos nos dois primeiros meses do ano, além de processos internalizados que somam R$ 518 milhões. Enquanto o segmento empresarial contratou R$ 44 milhões em 88 operações e tem R$ 402 milhões em fase de análise. Em 2020, Mato Grosso do Sul dispõe de R$ 2,011 bilhões de financiamento dos dois setores.

Aquisição de máquinas e equipamentos agrícolas e correção e conservação de solo são os principais projetos demandados dentro do segmento rural. No FCO empresarial a aquisição de máquinas lidera a contratação dos recursos. Terenos, Maracaju e Vicentina, são os municípios que até o momento, mais buscaram recursos do FCO em 2020.

O CEIF aprovou hoje recursos que somam R$ 9,827 milhões para o setor empresarial e R$ 139,6 milhões para o rural, a serem investidos em praticamente todo o Mato Grosso do Sul. Tais valores passarão a contar no balanço do mês de março.

Entre os destaques, foram aprovados mais de R$ 30 milhões em recursos para investimento em suinocultura em Glória de Dourados e Deodápolis. O secretário Jaime Verruck destaca que em Mato Grosso do Sul o FCO tem tido papel importante no desenvolvimento do Estado.

“Hoje o FCO faz o papel de fomento às culturas no Estado. Tem auxiliado a promover o desenvolvimento e a expansão dos setores produtivos, principalmente a suinocultura e avicultura. Na pecuária e agricultura, os recursos têm possibilitado a aquisição de máquinas e no empresarial, a abertura e ampliação de novos negócios”, explica o secretário e presidente do CEIF.

Melhorias -O conselho do FCO, atendendo pedido da Sudeco, aprovou melhorias de gestão para dar mais transparência às ações no âmbito do financiamento. A ideia é a criação de um sistema on-line que unifique as informações do Centro-Oeste, permitindo inclusive o acompanhamento de cada processo, desde a apresentação de carta-consulta até a contratação dos recursos.

O Banco do Brasil está fazendo ações para ampliar a divulgação do FCO empresarial. Todos os clientes do banco com limite de crédito para contratação de FCO acima de R$ 50 mil foram contatados para conhecer os benefícios da linha de financiamento. A demanda do setor empresarial segue boa, mas abaixo do ritmo do segundo semestre de 2019.