Com a carne bovina em alta, produção de suínos ganha destaque em MS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Com a disparada dos preços da carne bovina, uma suinocultura tem apresentado em Mato Grosso do Sul, no ano passado o Valor Bruto da Produção (VBP) dos suínos atingiu o recorde de R $ 1,1 bilhão de faturamento no Estado.

A suinocultura corresponde à parte da zootecnia direcionada a criação de suínos para a produção de alimentos e derivados. A carne suína é, hoje, a mais consumida em todo o mundo, e corresponde a 40% do total de proteína animal na alimentação das pessoas. 

“Nosso foco é estruturar essa cadeia produtiva no Estado, desde a produção até o abate e o processamento da carne. Hoje Mato Grosso do Sul importa leitões e estamos trabalhando para incentivar a entrada de novos produtores no setor e aumentar a produção. Entre as ações está a viabilidade de energia elétrica e recursos financeiros ”, explicou o titular da Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck.

No ano passado foram abatidos 3,2 milhões de cabeças de bovinos em Mato Grosso do Sul, o que representa uma queda de 13,9 mil em relação a 2019. 

Na contramão dos bovinos, os abates de suínos atingiram valor recorde, de acordo com os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Atualmente a cadeia da suinocultura é responsável por 16 mil empregos e produção estimada em R $ 16 bilhões. Ao todo, são 74,6 mil matrizes distribuídas em 34 propriedades no Estado, que contam com a vantagem da disponibilidade de grãos de qualidade para a preparação de preparação. 

A produção tem apresentado evolução constante, com crescimento de 128% nos últimos dez anos e aumento de 131% nos abates no mesmo período. 

Conforme o levantamento, o crescimento na procura por proteínas alternativas estão relacionadas à recessão econômica e ao isolamento social, uma vez que o produto é fonte de proteína mais acessível.

“Estamos consolidando o projeto de expansão da suinocultura em nosso Estado. Uma boa parte das matrizes produzidas será vendida para produtores de leitão em Mato Grosso do Sul, um fim de atender a crescente demanda das indústrias do setor. Cerca de 60% será comercializado para outros Estados. Seremos exportadores de suína genética, atendendo também o mercado brasileiro ”, destacou Verruck.

Mato Grosso do Sul ocupa uma sexta posição no ranking de exportações de carne suína no País, Hong Kong é o principal parceiro comercial externo no Estado.

No ano passado, o volume exportado cresceu 400%, Cingapura desponta como o segundo país que mais consome a carne suína do Estado, com 20% de participação na balança comercial.

Para o presidente da Associação sul-mato-grossense dos produtores de suínos (Asumas), Alessandro Boigues, uma suinocultura em Mato Grosso do Sul se destaca exponencialmente. 

“Além de se consagrar como um dos setores que mais gera emprego durante uma pandemia, carrega um leque de alternativas mercadológicas. Atualmente a produção do estado se concentração no mercado interno e se sustenta positivamente ”, destacou.

No Brasil, a estimativa para este ano é de um novo recorde na produção de suínos, chegando a 4,35 milhões de toneladas. O índice tende a superar a quantidade registrada em 2020, quando o país teve 4,25 milhões de toneladas de suínos procurados.