Ceasa dará competitividade aos agricultores familiares

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Um dos principais incentivadores do projeto de implantação de uma Ceasa (Central de Abastecimento de Alimentos) em Dourados, o vereador Madson Valente (DEM) acompanhou recentemente a vistoria dos técnicos da Agraer (Agência Estadual de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural) a área doada pela Prefeitura de Dourados para a construção do empreendimento.

Recentemente, técnicos do Estado fizeram vistoria na área que receberá a Central de Abastecimento - (Foto: Divulgação)
Recentemente, técnicos do Estado fizeram vistoria na área que receberá a Central de Abastecimento – (Foto: Divulgação)

O Ceasa de Dourados será construído às margens da BR-163, ao lado do Frigorífico do Peixe. Além do vereador do DEM, participaram da vistoria os técnicos da Agraer Paulo Sérgio Szukala Araújo, Gisele Alves Farias, o secretário de Agricultura Familiar e Economia Solidária, Landmark Ferreira Rios, e o diretor-presidente do Imam (Instituto de Meio Ambiente) de Dourados, Upiran Jorge Gonçalves da Silva.

Satisfeito com o avanço do projeto, que deve entrar em fase de licitação em breve, o vereador do DEM destacou que a implantação da Central de abastecimento será de suma importância para o fortalecimento da agricultura familiar em Dourados. “Considero que Dourados possui a vocação para produção de alimentos, tem uma estrutura fundiária preservada, baseada com características de pequenas propriedades, fatores preponderantes para o desenvolvimento deste potencial; portanto, precisamos apenas de dar estímulo, criar a logística e, assim, induzir nosso município a ser o maior celeiro de produção de alimentos deste país. O Ceasa será de fundamental importância neste processo”, ressalta Madson.

O empreendimento deve custar aproximadamente R$ 8 milhões. A obra será feita em etapas. O Estado já tem disponível R$ 3 milhões para a primeira etapa, que compreende um galpão de 18×90 metros, a ser destinado à agricultura familiar, um galpão de 22×90 metros a ser destinado a atacadistas (empresas que compram os hortifrutigranjeiros do produtor), área administrativa, banheiros e cercamento. Na segunda etapa será feito a pavimentação (provavelmente com bloquete) de toda a área, mais um galpão para atacadista e outro galpão para caixarias. Haverá ainda espaço reservado para uma praça de alimentação.