Carne e açúcar levam o Brasil a OMC contra Tailândia e Indonésia

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

carne bovina-foto-sna
Indonésia impõe restrições da Indonésia às exportações brasileiras de carne bovina. (Foto: SNA).

O Brasil abriu dois pedidos de consultas no sistema de solução de controvérsias da Organização Mundial de Comércio (OMC). O primeiro questiona a política de incentivo da Tailândia à produção e comercialização de açúcar. O segundo diz respeito às restrições da Indonésia às exportações brasileiras de carne bovina.
De acordo com a secretária de Relações Internacionais do Agronegócio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Tatiana Palermo, o pedido de consultas inicia formalmente os contenciosos na OMC. “Essa etapa possibilita às partes a oportunidade de buscar uma solução, sem entrar em litígio.”
Nos dois casos, os países têm 30 dias para começar as consultas.
Sobre a controvérsia do açúcar com a Tailândia, o adido agrícola em (Suíça), Luís Henrique Barbosa da Silva, afirma que o funcionamento das políticas daquele país para a produção e exportação do produto causam danos ao Brasil e distorções ao mercado internacional.
“O setor sucroalcooleiro brasileiro calcula que esteja perdendo, em média, cerca de US$ 581 milhões por ano, por causa dos subsídios à produção de açúcar na Tailândia”, diz Luís Henrique.
Entre as políticas públicas tailandesas para o setor, estão os pagamentos diretos aos produtores de cana-de-açúcar e a sustentação de preços por meio de garantia de cotações mínimas.
“Esses subsídios causam distorções no mercado internacional, porque estimulam o aumento da produção local, mesmo em momentos de quedas de preços. Há ainda estímulo à conversão da área plantada com arroz para produzir cana-de-açúcar”, argumenta.
De acordo com o adido agrícola, a Tailândia tem um complexo sistema de cotas para garantir a produção de açúcar.
Uma cota restringe a comercialização no mercado interno, garantindo um preço elevado. Outra obriga a venda por contratos de longo prazo, por empresa constituída por produtores, governo e usineiros, de determinada quantidade de açúcar.
Esse sistema é semelhante ao utilizado no passado pela União Europeia e foi condenado pelo Órgão de Solução de Controvérsias da OMC, em contencioso iniciado pelo Brasil, com participação da própria Tailândia.
Ao examinar o sistema de subsídios à produção e à comercialização de açúcar da Tailândia, o governo brasileiro considera que há violação de vários artigos do Acordo de Agricultura e do Acordo de Subsídios e Medidas Compensatórias da OMC. (Fonte: Mapa/Comex do Brasil).