Consumo maior de etanol pode gerar economia superior a US$ 23 bi ao SUS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Aumentar o uso do etanol combustível dos atuais 28 bilhões de litros para cerca de 50 bilhões em 2030 poderá propiciar uma economia de US$ 23 bilhões para o Sistema Único de Saúde (SUS). A cifra – R$ 82,8 bilhões, em média, na cotação atual – é uma projeção do estudo “Aumento da Participação do Etanol até 2030 e Impacto Epidemiológico Estimado em Saúde” do Laboratório de Poluição Atmosférica Experimental da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

O trabalho, lançado em 2014 e atualizado em outubro de 2015 pela maior instituição acadêmica do País, analisou os gastos na rede pública decorrentes de problemas respiratórios e cardiovasculares associados ao uso de combustíveis fósseis em oito regiões metropolitanas, que juntas congregam mais de 50% da população urbana do País.

Redução adicional de emissões é estimada em 571 milhões de toneladas de CO2. (Foto: Divulgação).

“Este incremento no consumo do etanol nos próximos 14 anos proporcionaria uma redução adicional de emissões estimada em 571 milhões de toneladas de CO2, o que evitaria a morte de quase 7 mil pessoas no período”, informa a presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), Elizabeth Farina. Segundo dados publicados no último levantamento realizado pelo Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), o uso de gasolina e diesel no setor de transporte foi responsável pela emissão de aproximadamente 200 milhões de toneladas de CO2 em 2014.

O trabalho desenvolvido por pesquisadores da USP avaliou a presença de material particulado fino (MP2,5), considerado o poluente de maior efeito nocivo à saúde humana, nas cidades de São Paulo, Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e Vitória. Para medir o impacto destas partículas geradas pela queima de combustíveis por veículos, o estudo considerou o uso de gasolina aditivada e etanol hidratado.

INDCs

De acordo com as sua Contribuição Nacionalmente Determinada do Brasil (INDC, em inglês) apresentada durante a COP21, o País se comprometeu a reduzir em 43% as suas emissões de gases de efeito estufa até 2030 – comparado aos níveis observados em 2005. Até lá, um dos pontos mais importantes do plano prevê que a participação dos biocombustíveis na matriz energética brasileira deverá atingir 18%, o que para o caso do etanol significará saltar de uma produção de 28 para 50 bilhões de litros.

Cálculos da UNICA indicam que, para isso, serão necessárias políticas públicas de longo prazo e um ambiente regulatório saudável para atrair investimentos da ordem de R$ 40 bilhões no setor sucroenergético, cujo etanol e a biomassa da cana representam hoje 40% de toda a energia renovável ofertada internamente. (DaUnica).