Artigo – Quer trabalhar na roça? Precisa estudar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

edson bolfeEdson Bolfe

Até pouco tempo, jovens filhos de agricultores e pecuaristas ouviam de seus pais que se não estudassem, teriam que trabalhar na roça. Hoje, aqueles que efetivamente desejam atuar no meio rural, necessitam estudar, e muito.

A agricultura do Brasil já testemunhou centenas de inovações que geraram soluções para o desafio de cultivar os solos tropicais, transformando-a em exemplo mundial de produção, produtividade e diversidade. Diariamente, outras dezenas de ideias inovadoras germinam nos institutos de pesquisa, universidades, escolas técnicas, empresas, startups e nas propriedades rurais.

Imagens de satélite e de veículos aéreos não tripulados (Vants), GPS, georreferenciamento, cadastro ambiental rural e zoneamento de risco climático são termos frequentes no vocabulário dos produtores rurais. A agricultura de precisão tem sido amplificada para o uso de insumos conforme a variabilidade do solo e água de sítios, fazendas e estâncias. Sistemas integrados e mais biodiversos, como o ILPF (lavoura-pecuária-floresta), formam novos mosaicos de uso da terra em todo o Brasil. A agroindustrialização, serviços ambientais e o turismo rural ampliam a renda de milhares de famílias. Conceitos de certificação ambiental, indicação de procedência, bem-estar animal e georrastreabilidade têm se cristalizado no meio rural. Aplicativos de gerenciamento técnico-financeiro da produção de hortaliças, frutas, grãos, carnes, leite, ovos, fibras e madeira tornam-se fundamentais para a sustentabilidade do negócio rural.

A modernização da agricultura tem aumentado substancialmente sua eficiência produtiva. Em análise feita pela Embrapa, a tecnologia foi identificada como o fator mais importante no aumento da produção nas últimas quatro décadas no Brasil. Contribuiu com aproximadamente 60% do valor bruto da produção agropecuária, e o somatório dos demais fatores (terra, mão de obra e recursos financeiros) respondeu por 40%. Porém, o aumento do consumo de alimentos, fibras e energia, diante do crescimento da população, da expectativa de vida, e da renda tem impulsionado os mercados consumidores, tornando-os mais exigentes em alimentos de qualidade e com menor uso de recursos naturais.

Essas condições incentivam a demanda por atividades cada vez mais complexas no meio rural. Produtores e profissionais do campo necessitam de constantes atualizações e de intensificar o trabalho interdisciplinar a fim de gerar novas soluções no dia a dia nas propriedades rurais. A transformação digital eleva as possibilidades para ampliar o conhecimento e interação entre todos os elos das cadeias produtivas. O desafio está em dar maior dinamismo e obter maior integração entre pesquisa, ensino, indústria, comércio, assistência técnica e extensão rural.

Um perfil de inovador, empreendedor, multiplicador e comunicador é requisito imprescindível a todos que buscam no meio rural seu ambiente de trabalho e desejam o contínuo desenvolvimento da agricultura brasileira.

 

Edson Bolfe  é pesquisador,  coordenador do Sistema Agropensa – Embrapa
edson.bolfe@embrapa.br