Aplicação de defensivos agrícolas exige cuidados

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
Especialista diz que é preciso saber escolher os produtos para cada tipo de situação e equipamentos. (Foto: Divulgação).
Especialista diz que é preciso saber escolher os produtos para cada tipo de situação e equipamentos. (Foto: Divulgação).

Alguns fatores são fundamentais para que seja garantida a eficácia na aplicação de defensivos agrícolas nas lavouras. O tema foi amplamente discutido na tarde desta quinta-feira (18) na 53ª Expoagro, em Dourados, por meio da palestra realizada pelo engenheiro agrônomo e mestre em tecnologia da aplicação, Gustavo Peroba de Andrade. O evento contou com participação de produtores rurais, técnicos, acadêmicos e demais profissionais ligados a área.

Conforme o especialista, é preciso saber escolher os produtos para cada tipo de situação e equipamentos. Ele afirma que em algumas vezes, o produtor pode errar na escolha, apesar do mercado lançar e registrar novos produtos e maquinários. Por isso, é preciso estar atento ao momento correto e à forma adequada de aplicação.

Outra questão importante é tomar precauções para a realização dos trabalhos, fazendo o uso de materiais de proteção. “É importante falar sobre o uso de EPI, mostrar a questão do cuidado, para que sejam evitados problemas de intoxicação, visando um bom resultado final no trabalho de tratamentos fitossanitários”, destaca.

De acordo com o palestrante, existe grande demanda de informação por parte do produtor, que muitas vezes tem dificuldade nesse aspecto e necessita de orientação para que façam boas escolhas na lavoura. “Uma escolha errada por interferir até mesmo no controle de uma doença que pode ocorrer nas plantas”, salienta.

A relação da aplicação de defensivos e o clima de Mato Grosso do Sul também foi citada. Andrade destaca que as aplicações precisam ser feitas em horários corretos, para que não haja perda de eficiência do produto. “Aqui no Estado, são registradas temperaturas altas e umidade baixa, então a aplicação deve ser feita no momento certo e em doses corretas, em função de evaporação ou até mesmo ventos fortes, que podem espalhar o produto para outros locais”.