Agronegócio sustenta PIB de MS, que cresce 4,9% e atinge R$ 96,3 bi

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

pib agro 1

Puxada pelo agronegócio, a economia de Mato Grosso do Sul avançou 4,9% em 2017 e fechou com Produto Interno Bruto (PIB) de R$ 96,3 bilhões. Os dados foram divulgados oficialmente hoje pela Semagro (Secretaria de Estado do Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), com base nas informações do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O resultado coloca o Estado na 6ª posição no ranking nacional de crescimento do PIB entre as Unidades da Federação e a segunda no Centro-Oeste. O PIB per capita ficou em R$ 35.520,45 sendo o oitavo maior valor per capita entre os demais estados.

“Consideramos o resultado excelente”, comemorou o secretário de Produção, Jaime Verruck que atribui os números positivos à política de desenvolvimento econômico implantada pelo Governo do Estado na gestão do governador Reinaldo Azambuja. O setor que mais contribuiu para esse aumento foi o da agropecuária, com 25% de participação no índice geral. “Na produção de grãos, como milho e soja, fomentamos o investimento em modernização e ciência e tecnologia, gerando aumento de produtividade e maior valor agregado. Tivemos uma produção de 13 milhões de toneladas neste ano. As contas do PIB também mostram avanço expressivo na suinocultura e avicultura, com ampliação de granjas para atender as indústrias do setor; na piscicultura, com o avanço da tilápia e no setor de florestas, em função da instalação de mais uma linha de produção de celulose, em agosto de 2017”, comenta o secretário.

O coordenador de Economia e Estatística da Semagro, Eliandres Saldanha explica que o Produto Interno Bruto representa a quantificação em valores da produção de bens e serviços em um espaço temporal, fruto do desempenho das atividades econômicas por meio da utilização de recursos produtivos disponíveis. “O cálculo do PIB tem o objetivo de avaliar as taxas de crescimento global e setorial da economia, apresentar a composição das principais contas de produção na formação de riqueza, mostrar o PIB per capita resultante no período considerado e os agregados macroeconômicos por setores de atividades”, explica.

Segundo ele, “os resultados mostram que a participação dos setores econômicos na composição do PIB/MS em 2017 está assim distribuída, o Setor Terciário que é constituído pelas atividades do Comércio e Serviços, mantém-se com a maior contribuição, representando 60,33% no valor adicionado da economia, seguido pelo setor secundário onde estão as atividades industriais pesando 22,10%, já atividade agropecuária apresentou uma contribuição de 17,60% na formação do valor adicionado pela economia estadual naquele ano, tendo reduzindo sua contribuição no PIB Sul-mato-grossense que foi de 19,6% no ano de 2016 em função da redução de preços observado principalmente nas culturas do milho e soja”.

Setores

O desempenho de 4,9% alcançado pelo PIB/MS em 2017 é fruto do bom resultado obtido pela agricultura estadual, com pequena contribuição da indústria, já o setor terciário com baixo desempenho mostrou tendência de lenta recuperação evoluindo do nível de queda obtido nos dois anos anteriores como mostra o quadro acima,
No período de 2012 a 2017 o PIB estadual obteve uma evolução média de 2,9% ao ano, com resultados negativos nos anos de 2015 e 2016, a maior contribuição vem do setor primário com crescimento médio de 9,2% na agropecuária, o setor secundário apresentou segunda melhor contribuição crescendo a uma taxa média de 1,7%, a maior dificuldade vem sendo apresentado pelo setor terciário que é formado pelas atividades de comércio e serviços que obteve uma taxa média de 1,4%.

pib agro