Agraer e Embrapa promovem curso sobre consórcio milho em Iguatemi

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Evento técnico debate questões relacionadas a agricultura familiar de MS
Evento técnico debate questões relacionadas a agricultura familiar de MS

No Projeto de Assentamento (PA) Auxiliadora, município de Iguatemi, foi promovido um curso de semeadura consórcio milho x forrageiras, com a inclusão de aulas práticas das máquinas utilizadas no campo para preparo do solo e distribuição das sementes. A capacitação foi toda realizada por profissionais da Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural) e da Embrapa Agropecuária Oeste, de Dourados.

O pesquisador Gessi Ceccon, da Embrapa, é um dos grandes conhecedores e difusores da tecnologia utilizada nesse tipo de consórcio, milho e forrageira, que juntamente com o pesquisador Cláudio Lazzarotto ministrou o curso de maneira prática e didática.

Os agricultores familiares receberam a orientação correta para regulagem das semeadoras do capim e do milho a campo, com enfoque na importância do bom e correto funcionamento do maquinário para obter o resultado produtivo no campo.

“Além da economia no estabelecimento da forrageira, a semeadura em consórcio não diminui a produtividade do milho e garante uma pastagem de qualidade em pleno período seco do ano, após a colheita do milho seja para grãos ou silagem”, garantiu o pesquisador da Embrapa, Gessi Ceccon.

Também foram repassadas as práticas de espaçamento e a quantidade de sementes necessária a ser utilizada. Essa última de grande valia para agricultores como o senhor José Aparecido dos Santos, mais conhecido como Zé da Curva, no assentamento Auxiliadora, que em anos passados teve prejuízo na atividade. “Já fiz e não deu muito certo e no curso aprendi e entendi no que errei”, disse.

O agricultor se recorda até os motivos que o levaram a perca na propriedade. “O meu plantio não deu certo porque joguei semente demais de braquiara, o que matava o milho. Ela tomou conta”, alegou Zé da Curva que saiu satisfeito com o que viu, “O curso tirou as minhas dúvidas. Conversei com os pesquisadores e se o preço do leite melhorar, o ano que vem, eu mexo com a reforma de pasto e volto a fazer consorciamento”.

Após a semeadura do capim e milho, na segunda etapa do curso, o Gessi Ceccon ensinou os produtores a como calcular o valor cultural das sementes comerciais das forrageiras e a quantidade necessária para a formação da pastagem levando em consideração a pureza e germinação de cada espécie.

Na aula prática,  também foi ensinado aos produtores algumas técnicas de testar a real germinação de cada lote de semente. “Foi feito um teste a campo, algo que pode ser feito em vasos ou na própria horta, contando as sementes cultivadas e observando as que efetivamente nasceram”, justificou o zootecnista da Agraer, Miguel Domingues.

A capacitação também abordou as diversas maneiras de efetuar o consórcio milho x forrageiras e os resultados apresentados em cada uma das práticas. “Há diferentes espécies de forrageiras da Embrapa disponíveis para formação da pastagem e características e produtividades de cada uma, sendo a escolha de acordo com o clima, tipo de solo da região e nível de tecnologia adotado”, afirmou o pesquisador Cláudio Lazzaroto.

De acordo com o zootecnista e coordenador municipal Agraer de Iguatemi, Miguel Domingues, é crescente a utilização da integração lavoura-pecuária e lavoura-pecuária-floresta em Mato Grosso do Sul. “Os produtores necessitam de capacitação para obterem melhores resultados dessas técnicas tão importantes que são capazes de melhorar a produtividade e renda seja por meio da lavoura, da pecuária leiteira ou de corte e das florestas plantadas”.

A capacitação envolveu não apenas os agricultores familiares do assentamento Auxiliadora como de outras duas comunidades agrícolas, o Rancho Loma e o Colorado. “Houve a adesão de produtores tradicionais também. Todos participaram ativamente do curso com perguntas e discussões sobre a semeadura do milho e capim, no intuito de saber como obter os melhores resultados na produtividade da silagem do milho e da forrageira consorciada”, destacou Miguel.

A execução do curso contou com o apoio da Asplansa – Associação dos Pequenos Produtores de Leite do Assentamento Nossa Senhora Auxiliadora, da Prefeitura de Iguatemi através da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente.

Prestigiou o evento o vice-prefeito Genésio Boamorte, o secretário Delsio Adelfo Sovernigo e o vereador José dos Santos (Zé da Deda). “Também contamos com o apoio do Senar que através do técnico local, Wesley Torres, colaborou com as atividades cedendo a área e insumos para realização do curso através de parceria local, Agraer e Senar”, finalizou o coordenador municipal da Agência, Miguel Domingues.