Estado libera licença para instalação de 20 usinas solares

Estado libera licença para instalação de 20 usinas solares

O governo do Estado está buscando a captação e o oferecimento de condições competitivas para a mudança da matriz energética de Mato Grosso do Sul com o fomento à produção de energias limpas e renováveis. Na manhã de ontem (9), o secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico, Jaime Verruck, entregou a Licença Prévia (LP) de instalação para 20 projetos de usinas solares fotovoltaicas (que produzem energia elétrica a partir dos raios solares para distribuição e comercialização) para a empresa espanhola Solatio Energia Project Management na Região do Bolsão.

empreendimento tem investimento previsto de R$ 7,5 bilhões na construção de 20 usinas solares fotovoltaicas em uma área total de 3.700 hectares - Foto: Divulgação

empreendimento tem investimento previsto de R$ 7,5 bilhões na construção de 20 usinas solares fotovoltaicas em uma área total de 3.700 hectares – (Foto: Divulgação)

“Dentro do projeto Estado Carbono Neutro trabalhamos a mudança de nossa matriz energética com a implantação do conceito de energia limpa e renovável. Já estamos agindo nesse sentido com o estímulo às usinas termelétricas de biomassa. Tem sido uma ação integrada da Semade com o Imasul para dar resposta às demandas que temos recebido de forma célere e responsável. Nosso foco agora é o da energia fotovoltaica e a entrega dessa licença é de grande importância, pois abre a perspectiva de um novo negócio para o Estado”, afirmou o secretário Jaime Verruck.

O empreendimento tem investimento previsto de R$ 7,5 bilhões na construção de 20 usinas solares fotovoltaicas em uma área total de 3.700 hectares distribuídos nos municípios de Cassilândia e Paranaíba, na região do Bolsão.  Quando concluídas, as usinas juntas terão capacidade de gerar 1200 MW (energia suficiente para abastecer 600 mil residências). O projeto, de acordo com os representantes da Solatio, Luiz Gustavo Gallo Villa e Rafael Navarro, que receberam a LP das mãos do secretário Jaime Verruck, é o maior do país. “Cassilândia e Paranaíba já são os maiores projetos da Solatio, são o maior projeto brasileiro e um dos maiores do mundo. Não é algo que deverá ficar somente no papel.”, afirmou Luiz Gustavo.

Compromisso com o desenvolvimento Sustentável

A entrega da Licença Prévia para os projetos da Solatio foi acompanhada pelo diretor de Licenciamento do Imasul, Ricardo Eboli e pelo coordenador dos Escritórios Regionais do Instituto, André Borges, no gabinete da Semade.  O documento possibilitará à empresa concluir o processo de habilitação para o 1º leilão de reserva da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), a ser realizado no dia 29 de julho.

Neste certame, Mato Grosso do Sul é a quarta unidade da federação em número de propostas apresentadas à EPE (atrás da Bahia, Piauí e São Paulo). Dos 21 projetos previstos para o Estado, 20 são da empresa espanhola. “A exemplo do que fizemos com a demanda recebida de empreendimentos de biomassa, também tratamos de forma equivalente com as solicitações das usinas fotovoltaicas. Demos celeridade à tramitação do processo de licenciamento prévio no Imasul para possibilitar a habilitação das propostas no leilão da EPE”, lembrou Jaime Verruck.

Mato Grosso do Sul é o único Estado da Região Centro-Oeste a participar deste leilão de reserva da EPE. “Alguns estudos já apontaram que a incidência solar em nosso Estado é bastante propícia ao desenvolvimento de projetos na área de energia fotovoltaica. Esse diferencial competitivo está sendo comprovado com o número de projetos que se interessam em se instalar em nossa região”, avalia o titular da Semade e diretor-presidente do Imasul.

O representante da Solatio, Luiz Gustavo Gallo Vilela, informou que “Mato Grosso do Sul foi escolhido pela qualidade das propriedades, pela questão topográfica favorável e alta incidência solar. É um conjunto de fatores muito propícios e relevantes para a instalação de usinas solares fotovoltaicas. Como estamos instalados no interior de São Paulo, esse foi outro fator que viabiliza o empreendimento de forma estratégica, além da total compreensão econômica e ambiental do projeto por parte do governo de MS, com a Semade e o Imasul nos dando todo o suporte”.

Ainda segundo Luiz Gustavo, as 20 usinas estão distribuídas da seguinte forma: 13 em Cassilândia, com capacidade de geração de 800 MW e outras 7 em Paranaíba, com potencial de gerar outros 400 MW. No total, são 3700 hectares de terra com placas fotovoltaicas. A previsão é de que sejam gerados 1,5 mil empregos na etapa de implantação e 450 na fase de operação. A viabilização dos investimentos será definida após a realização do leilão de reserva da EPE, que acontecerá em 29 de julho.